Iniciativa do Colégio Marista Arquidiocesano estimula as rodas de leitura e experiências literárias compartilhadas

Iniciativa do Colégio Marista Arquidiocesano estimula as rodas de leitura e experiências literárias compartilhadas

Colégio Marista Arquidiocesano

22 de abril de 2019 | 09h00

Escola amplia o alcance do acervo para além do espaço físico de suas três bibliotecas por meio da criação do projeto Ponto de Leitura Irmão Dávide

A biblioteca do Colégio Marista Arquidiocesano, em parceria com o projeto Arquicultura, inaugurou em abril o Ponto de Leitura Irmão Dávide, um novo espaço cultural no qual toda a Comunidade Marista encontra ótimas referências literárias e boas companhias para seus momentos de lazer. “Esta é mais uma conexão Marista na forma do estímulo à leitura e formação de leitores. Iniciei essa campanha junto aos outros professores para doação de livros que possam compor um acervo especial para rodas de leitura e experiências literárias compartilhadas. Já consegui doação de uns 100 volumes. Os alunos também já começaram a colaborar e em breve receberemos novas doações”, comemora o professor Marcelo Pereira.

Instalado no pátio do poliesportivo da escola, todos os livros estão identificados para que os usuários devolvam os livros retirados na estante do próprio local. “Quando um aluno quiser fazer uma doação para alimentar e renovar nosso Ponto de Leitura, basta colocá-la na caixa localizada ao lado da estante de livros. O material será avaliado e disponibilizado para todos”, explica Pereira, que também ministra aulas de História no Marista Arquidiocesano. “Queremos fazer os livros circularem de modo mais livre e estimular os encontros do clube do livro”, reforça o professor. Ele destaca que essas iniciativas contribuem para a interação e a conquista de novas amizades entre os alunos, pais, professores e colaboradores, desenvolvendo o sentimento de pertencimento à comunidade escolar.

Assim como o Ponto de Leitura Irmão Dávide, o colégio no bairro Vila Mariana, em São Paulo, oferece ainda outros lugares de encontro com a literatura e diferentes suportes informacionais para facilitar o processo de desenvolvimento intelectual dos alunos. Atualmente o Arqui conta com três bibliotecas recheadas de livros ricos e diversificados, planejadas para que os alunos encontrem, nestes espaços, um ambiente favorável ao aprendizado, onde cada uma delas se dedica ao atendimento aos segmentos curriculares disponíveis por faixa etária.

Na biblioteca destinada às crianças da Educação Infantil e 1º ano, por exemplo, é oferecido semanalmente uma oportunidade de os pequenos vivenciarem a leitura em contato com diferentes romances para refletir e discutir sobre os temas estudados. Para isso, as educadoras contam histórias e utilizam os mais variados recursos e ferramentas para enriquecer as narrativas: elas próprias encenam, fazem teatro de fantoches, de sombras, exploração sensorial e etc.

Na Biblioteca Juvenil (2º e 3º ano), além do acervo de livros didáticos, também são realizados uma série de atividades de sensibilização visando engajar os estudantes em temas ambientais, como a coleta seletiva e a reciclagem. E, na Biblioteca Central, são oferecidos espaços reservados para leitura, pesquisa e desenvolvimento das tarefas escolares. O trabalho de preservação do patrimônio científico desta unidade, inclusive, recentemente foi reconhecido pelo Prêmio Paulista de Biblioteconomia Laura Russo, vencendo a categoria profissional. Saiba mais sobre esta homenagem clicando aqui.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.