Você já conhece o Setembro Azul? Então vem com a gente!

Você já conhece o Setembro Azul? Então vem com a gente!

Colégio Rio Branco

24 de setembro de 2021 | 16h56

Além da necessidade urgente de aderir e se manter ligado no Setembro Amarelo, campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio (aliás, durante os 12 meses do ano!), também é importante saber mais sobre o Setembro Azul.

Esse movimento foi criado para marcar as conquistas, relembrar as lutas da comunidade surda e conscientizar sobre a importância da acessibilidade durante todo o mês nove do ano, já que no dia 26 de setembro comemora-se o Dia Nacional do Surdo, e no dia 30 de setembro, o Dia Internacional do Surdo. 

Historicamente, o mês também remete a outras datas e acontecimentos importantes para essa minoria:

6/09 e 11/09: o Congresso de Milão de 1880, proibiu o uso das Línguas de Sinais na educação dos surdos.

23/09: Dia Internacional das Línguas de Sinais.

26/09: Dia Nacional do Surdo. Data de fundação do Instituto Nacional de Educação dos Surdos, a primeira escola para surdos do Brasil.

30/09: celebra o Dia do Tradutor Intérprete.

A razão do azul ser a cor escolhida para a campanha tem origem na Segunda Guerra Mundial, quando fitas azuis eram presas em pessoas com alguma deficiência para diferenciá-las das demais, entre elas, os surdos.

Cada país tem a sua própria língua de sinais e a Língua Brasileira de Sinais (Libras) é um importante patrimônio cultural e sociolinguístico do nosso país, já que permite o acesso e a inclusão de surdos na sociedade, majoritariamente ouvinte. Apesar da Língua Brasileira de Sinais ser reconhecida como meio legal de comunicação e expressão desde 2002, grande parcela da população ainda não possui muitas informações sobre a realidade dos surdos no Brasil.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 10 milhões de pessoas possuem alguma deficiência auditiva no Brasil, por isso, chama atenção a necessidade cada vez maior de serviços e políticas públicas mais abrangentes e de inclusão, sejam nas escolas, universidades e outros espaços.

Para fortalecer essa luta, todos os anos, o Centro de Educação para Surdos Rio Branco (CES), o Colégio Rio Branco (CRB), o Centro Profissionalizante Rio Branco (Cepro) e as Faculdades Integradas Rio Branco (FRB-GV) comemoram o mês de setembro com as tradicionais fitas ou “mãozinhas” azuis, atividades de conscientização, encontros e eventos recreativos.

Registro de atividade anterior à pandemia (CES).

Como acontece o trabalho de formação educacional de surdos no Rio Branco?  

Crianças surdas podem ingressar no Centro Educacional para Surdos Rio Branco (CES) a partir de zero ano de idade (bebês), passar pelas fases do Programa de Estimulação do Desenvolvimento e cursar os níveis escolares seguintes: da Educação Infantil ao 5° ano do Ensino Fundamental.  Todo o trabalho bilíngue é realizado em Libras, adotada como a primeira língua no ensino e na aprendizagem, seguido da Língua Portuguesa na modalidade escrita, como o segundo idioma.

A partir do 6° ano do Ensino do Ensino Fundamental, já com a autoestima e a identidade surda fortalecidas, os estudantes ingressam no Programa de Continuidade de Escolaridade, no qual são incluídos e integrados, em grupos, nas salas de aula junto aos alunos ouvintes do Colégio Rio Branco – com o acompanhamento atento de orientadores educacionais e a presença de tradutores intérpretes em Libras na sala de aula, em todas as disciplinas até a conclusão do Ensino Médio.

A instituição também oferece a possibilidade dos alunos ouvintes de todas as faixas etárias, assim como seus familiares, participarem de oficinas de Libras.

Todo esse amplo trabalho dedicado aos alunos surdos, além do atendimento e suporte às suas famílias, integra um dos principais braços sociais da instituição, ao contemplar mais de 100 alunos beneficiados por bolsas de estudos.

Muitos estudantes surdos que passaram pelo CES e pelo Colégio Rio Branco, se destacaram em edições do Enem, e em vestibulares de importantes instituições. 

A valorização da cultura surda, o respeito à diversidade sociocultural e linguística da minoria surda fazem parte do principal projeto de inclusão da instituição. É uma de suas marcas e está na natureza do seu dia a dia, já que alunos, educadores e colaboradores convivem harmoniosamente, aprendendo juntos e mutuamente.

O Centro de Educação para Surdos Rio Branco foi criado em 1977, pela Fundação de Rotarianos de São Paulo e conta com uma equipe altamente qualificada de profissionais e educadores, surdos e ouvintes, fluentes em Língua Portuguesa e na Língua Brasileira de Sinais. É uma referência nacional e internacional na área.

O CES também conta com a campanha “Mãos Fazendo História”, na qual a instituição está aberta para receber voluntários e doações para a ampliação e continuidade dos trabalhos de excelência nesta importante área da educação. Mais informações: www.ces.org.br

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.