Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Y, a letra que vive uma crise de identidade

Classificação do Y como consoante ou vogal desperta dúvidas de pais, crianças e até especialistas; escolas têm mudado forma de alfabetizar

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

26 Maio 2018 | 03h00

SÃO PAULO - Vogal ou consoante? O exercício, comum nas lições de casa de antigamente, parece fácil até chegar à 25.ª letra do alfabeto. A classificação do Y, que depende de sua função em cada palavra, desperta a curiosidade de crianças e dúvidas nos pais.

O questionamento surgiu na casa da protética Alessandra Cerqueira, de 37 anos, quando ajudava o filho Matheus, de 6, com a lição de casa. “Ele tinha de circular as vogais nos nomes dos coleguinhas e marcou a letra Y, de Yasmin. Achei que estivesse errado porque aprendi que temos cinco vogais.”

Nem Matheus nem a mãe estão errados. O gramático Evanildo Bechara, membro da Academia Brasileira de Letras, explica que o Y, importado do inglês, representa geralmente uma semivogal (como em yoga) ou a vogal I (hobby, spray). E, em casos mais raros, atua como consoante: o J na palavra de origem inglesa yarda (jarda).

“É uma letra que não pertencia ao alfabeto latino, por isso seu comportamento é diferente”, diz Bechara. O mesmo ocorre com o W, que pode ter som da consoante V (em Wagner) ou da vogal U (Washington). O Y, o W e o K foram incorporados ao alfabeto português em 1990, pelo Acordo Ortográfico.

Seja pela dificuldade na classificação ou pelo desuso desse tipo de exercício na alfabetização, as escolas não costumam mais ensinar o conceito de vogal e consoante nessa etapa. 

“Introduzimos as letras pelos sons que elas têm nas palavras conhecidas e usadas pelas crianças. O Y, por exemplo, aparece em Youtube, Yakult. Os alunos se apropriam dos sons e depois os usam como referência para escrever outras palavras”, explica Katia Rascio, coordenadora do Colégio Rio Branco, na região central de São Paulo.

É só ao final do 2.º ano do ensino fundamental que conceitos gramáticos começam a ser ensinados. “Porque é nesse momento que as próprias crianças trazem dúvidas, já que começam a refletir sobre a escrita. Partimos dos questionamentos deles e não da memorização, como se fazia antes.”

O mesmo método é usado no Colégio Humboldt, na zona sul, que tem ensino bilíngue. Como as crianças aprendem português e alemão ao mesmo tempo, a apresentação da classificação das letras em vogais e consoantes só é feita quando elas já adquiriram a base alfabética nos dois idiomas. 

“O mais importante é a criança saber que podemos falar de um jeito, mas escrever de outro. Se os estudiosos não definiram qual a classificação do Y, não tem sentido a escola querer fazer isso”, diz a professora Maria José Nobrega, do Instituto Vera Cruz. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.