Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Vestibulandos entram preocupados com matemática e saem apavorados com química

Em Ribeirão Preto, estudantes revelam dificuldades e temores em relação à prova da Fuvest

Rene Moreira - Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2016 | 19h15

RIBEIRÃO PRETO - Estudantes que fizeram o exame da 1ª fase da Fuvest na região de Ribeirão Preto disseram que as questões de Química "assustaram". As provas foram aplicadas na Universidade Paulista (Unip), Universidade de São Paulo (USP) e no Centro Universitário Moura Lacerda, em Franca, segundo maior município da região, os vestibulandos estiveram no Centro Universitário Uni-Facef e na Faculdade de Direito.

"A Expectativa é boa, mas só de pensar nas questões de matemática já fico preocupada", disse antes do exame Thamara Santos, que saiu de Passos (MG) para fazer a prova em Franca, a 100 quilômetros de distância. "Sei que é difícil, principalmente matemática e física, mas estou confiante que posso ir bem", falou outro estudante, Gabriel Windess, de 18 anos. Mas esta expectativa também foi antes do início da avaliação.

Dificuldade. "A prova estava um tanto complicada, o nível é elevado. Mas química foi a mais elaborada e também mais difícil", disse ao sair da sala Mariana Melo, de 17 anos, sobre as 90 questões de múltipla escolha aplicadas neste domingo, 27. Ela presta Fuvest pela primeira vez e tenta uma vaga no curso de psicologia. "Não achei a prova difícil, apenas as questões de química estavam quase impossíveis de responder", concorda Alana Caparroz, de 16 anos, treineira que fez a prova como preparação. "Espero no ano que vem estar pronta para entrar na universidade", completou.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.