Vestibulando teve dificuldade para acessar site da Fuvest

Quem dependeu do site da Fuvest para saber se entrou ou não na USP precisou de muita paciência e sorte para acessar a lista no momento em que ela foi divulgada. Na maior parte da tarde desta terça-feira, era quase impossível abrir o endereço na internet ? como tem ocorrido nos últimos anos, desde que a lista passou a ser publicada online. A solução foi esperar e acessar a relação copiada por outros servidores."O site vira um funil monstruoso", disse o gerente de informática da Fuvest, Pedro de Luca. Ele não soube dizer a capacidade exata do servidor ou o número de requisições de acesso que recebe no período, mas é certamente maior do que o sistema consegue processar. Além dos cerca de 29 mil candidatos que prestaram o vestibular, somam-se amigos, tios, avós, primos e todo tipo de conhecidos interessados em saber o resultado. Todos tentando acessar o site ao mesmo tempo. "É como um PABX de telefone. Se todo mundo liga na mesma hora, vai dar ocupado", explicou Luca. Segundo ele, o servidor não chega a travar, mas funciona com 100% de capacidade. Com isso, forma-se uma fila, e aqueles que chegam atrás recebem um aviso de que a página não pode ser acessada.O gerente de tecnologia do provedor de banda larga DirectNet, Stanley Fukuyama, compara a situação ao atendimento de uma agência bancária. Se o banco tem dez balconistas, o máximo que consegue atender simultaneamente são dez clientes. Fora isso, há pessoas que ficam na fila do caixa ? com a página do site aberta, mas incapazes de navegar ? e um outro amontoado de gente que nem consegue entrar na agência. Soluções seriam alocar maior capacidade de banda para o servidor no momento de pico, ou colocar mais de um servidor atendendo o mesmo endereço.

Agencia Estado,

04 de fevereiro de 2004 | 06h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.