PABLO COSTA/ICM2018
PABLO COSTA/ICM2018

Vencedores da Medalha Fields são anunciados em Congresso Internacional de Matemática, no Rio

Vencedores do prêmio, considerado o "Nobel da Matemática" são um alemão, um indiano, um italiano e um iraniano

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2018 | 11h37

RIO - Não deu para o brasileiro Fernando Codá Marques. O matemático de 38 anos, da Universidade de Princeton, nos EUA, estava cotado para ser um dos ganhadores deste ano da Medalha Fields, o mais importante prêmio internacional da matemática, anunciado na manhã desta quarta-feira, 1, no Riocentro, no Rio, durante abertura do Congresso Internacional de Matemáticos (ICM na sigla em inglês). Os vencedores foram o alemão Peter Scholze, o indiano Akshay Venkatesh, o italiano Alessio Figalli e o iraniano Caucher Birkar.

Concedida desde 1936 a cada quatro anos, a medalha é entregue a até quatro pesquisadores com menos de 40 anos, como um reconhecimento a trabalhos de excelência e estímulo a novas realizações. Por sua importância, é sempre citada como o "Nobel da Matemática". Até hoje, a medalha já foi concedida a 56 estudiosos dos mais diversos países, entre eles o brasileiro Artur Ávila, do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), em 2014, na última edição do congresso. Codá seria o segundo brasileiro agraciado.

Os vencedores da Medalha Fields são escolhidos por um comitê formado por grandes especialistas nomeados pela União Matemática Internacional. Conheça um pouco mais os ganhadores deste ano:

Caucher Birkar. Nascido em 1978, na província curda de Marivan, no Irã, Birkar é um especialista em geometria algébrica da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Após o bacharelado em matemática na Universidade de Teerã, o pesquisador se mudou para o Reino Unido, onde se tornou cidadão britânico. Em 2004, concluiu o PhD na Universidade de Nottingham, com a tese "Tópicos da geometria algébrica moderna".

Alessio Figalli. Nascido em 1984, em Nápoles, na Itália, Figalli é pesquisador da Escola Técnica Federal de Zurique, na Suíça. Ele descobriu a matemática tardiamente. Até o ensino médio seu maior interesse era o futebol. O treinamento para a Olimpíada Internacional de Matemática o despertou para o tema e, ao ingressar na Scuola Normale Superiore di Pisa, escolheu a matéria. Em 2007, ele concluiu o doutorado na Ecole Nornal Supérieure, de Lyon, na França. Figalli é especialista em equações diferenciais parciais e cálculos de variações, uma área clássica da matemática que remonta a leis fundamentais da física.

Peter Scholze. Com apenas 30 anos, o alemão nascido na cidade de Dresden é considerado hoje pela comunidade científica um dos matemáticos mais influentes do mundo. Ele é pesquisador da Universidade de Bonn, onde se tornou professor titular com apenas 24 anos. Scholze concluiu a graduação e o mestrado em tempo recorde, apenas cinco semestres, e começou a ganhar notoriedade aos 22 anos, depois de simplificar uma complexa prova matemática da teoria dos números de 288 páginas para apenas 37. Ele é especialista em geometria algébrica aritmética.

Akshay Venkatesh. Nascido em Nova Déli, na Índia, em 1981, e criado na Austrália, já era medalhista da Olimpíada Internacional de Matemática aos 12 anos. Aos 13 anos, ele ingressou no bacharelado em Matemática e Física na Universidade de Western Austrália. Aos 20 anos, ele terminou o PhD na Universidade de Princeton e logo se tornou professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Desde os 27, Venkatesch é professor da Universidade de Stanford, nos EUA. Ele é especialista em teoria dos números.

 

Mais conteúdo sobre:
matemáticaCaucher Birkar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.