Reuters
Reuters

Veja opções para estudar e trabalhar fora do Brasil

Lista reúne possibilidades nos Estados Unidos, Canadá, Irlanda, França, Austrália e China; escolha qual se encaixa no seu perfil

O Estado de S. Paulo

30 Junho 2015 | 03h00

A opção por estudar e trabalhar fora do País é feita por muitos estudantes recém-formados, com pouco dinheiro para investir e com intenção de ampliar o conhecimento cultural por meio de uma atividade profissional. As opções de trabalho e estudos incluem, além dos Estados Unidos, países como Canadá, Irlanda, França, Austrália e China, entre outros. Veja opções:

ESTADOS UNIDOS

Além do programa de au pair, outro chamariz para estudantes brasileiros nos Estados Unidos é o trabalho na Disney. A STB tem o Cultural Exchange Program, em que estudantes trabalham nos parques e hotéis do complexo Disney entre novembro e fevereiro, vendendo mercadorias, fazendo distribuição de panfletos ou operando brinquedos e organizando filas.

Para a gerente de Produto do STB, Rosana Lippi, ter uma empresa de outro país no currículo traz ganhos profissionais para o intercambista. “Há ainda troca de experiência no trabalho, novos horizontes culturais e networking com pessoas de outros mundos”, afirma.

Au Pair

Exigências: De 18 a 26 anos, com ensino médio completo, nível de inglês intermediário e no mínimo 300 horas de experiência com crianças

Função: A Au Pair mora na casa de uma família americana e torna se parte dela. Ela participa de todas as atividades sociais e esportivas da casa enquanto cuida das crianças (são, no máximo, quatro crianças por Au Pair, com idades entre 3 meses e 12 anos

Duração: um ano, podendo ser estendido por 6, 9 ou 12 meses

Investimento: US$ 600

Remuneração: US$ 195,75 por semana, com carga de 45 horas semanais. O estudo é obrigatório e o estudante recebe bolsa auxílio de US$ 500 para todo o curso

Mais informações aqui.

 

Disney (Cultural Exchange Program)

Exigências: Candidatos a partir dos 18 anos, que esteja cursando a universidades, que sejam flexíveis e inglês avançado

Função: trabalham nos parques e hotéis do complexo Disney, vendendo mercadorias, fazendo distribuição de panfletos ou operando brinquedos e organizando filas.

Duração: entre novembro e março

Investimento: visto e passagem área, seguro saúdo e acomodação

Remuneração: US$ 9 por hora. Trabalho de pelo menos 30 horas semanais. A acomodação é no próprio complexo

Mais informações aqui.

Hotelaria, gastronomia e turismo

Exigências: Estudantes de hotelaria, gastronomia e turismo entre 18 e 35 anos, nível de inglês avançado e pelo menos um ano de faculdade

Função: estagiários e Trainees de Hotéis nas áreas de Turismo, Hotelaria e Gastronomia .

Duração: de 6 a 12 meses, com carga horária de 30 horas semanais. A acomodação não está incluída no valor do programa. O participante é responsável por providenciar a própria acomodação

Investimento: US$ 2 mil

Remuneração: US$ 10 por hora, a partir de 30 horas semanais

Mais informações aqui.

 

CANADÁ

É possível trabalhar 20 horas semanais durante o período de estudos - que precisa ser de, no mínimo, seis meses. O país permite, após esse período, um novo visto só de trabalho (de 48 horas semanais) para um período de mais seis meses. Como o programa canadense passou a focar em formações mais vocacionais, o país exige inglês avançado.

Para obter o visto, o candidato tem de provar raízes no Brasil e autonomia financeira para se manter. A presidente da agência Canadá Intercâmbio, Rosa Maria Troes, ressalta a característica hospitaleira dos canadenses. “É um país multicultural em que vai ter contato com diferentes nacionalidades e poderá treinar os diversos acentos em inglês.”

Exigências: o estudante deve ter inglês avançado e provar raízes e autonomia financeira para ter o visto canadense

Função: oportunidades profissionalizantes, mais procurados são área de negócios, administração, comércio internacional e informática

Duração: tem de estudar no mínimo 24 semanas e pode trabalhar 20 horas por semanas ao mesmo tempo. Depois, o interessado pode conseguir seis meses de visto só de trabalho de 48 horas semanais.

Remuneração: US$ 10,25 por hora

Investimento: cerca de 10,5 mil dólares canadenses por um ano

Mais informações aqui.

IRLANDA

O país se consolidou como um dos destinos mais procurados por ser uma das opções mais baratas e que exige menos burocracias. Mas novas regras passaram a valer em janeiro e mais uma mudança está marcada para outubro deste ano. Por enquanto, o estudante que quer trabalhar precisa frequentar um curso durante seis meses e, no período, a carga de trabalho deve ser de no máximo 20 horas.

Após um semestre, ele pode trabalhar durante outros seis meses durante 20 horas na maior parte do ano, ou 40 horas nas férias do país - entre junho e setembro e entre 15 de dezembro e 15 de janeiro. “Apesar do estudante poder trabalhar só metade das horas na maior parte do ano, isso abre vagas para mais gente”, afirma segundo diretor comercial da agência de intercâmbio Global Study, Maurício Marques.

A partir de 1º de outubro valerão novas regras. Após o primeiro semestre de estudo e trabalho, em que valem as mesmas regras de carga horária, o país só vai autorizar mais dois meses de visto. Dessa forma, o visto total será de 8 meses, e não um ano como anteriormente

Exigências: não pede visto prévio e para entrada no país é preciso carta do colégio, acomodação inicial, seguro saúde e passagem de ida e volta. Para a retirada do visto na Irlanda, o aluno também precisa comprovar ter 3.000 euros

Função: os trabalhos mais comuns são garçom, limpeza, babá, área de serviços em geral

Duração: Precisa frequentar um curso durante seis meses (25 semanas), tendo permissão de trabalho de 20 horas por semana nesse período. Durante as férias, o aluno pode 25 semanas durante 20 horas na maior parte do ano, ou 40 horas entre junho e setembro e entre 15 de dezembro e 15 de janeiro, meses de férias no país

A partir de 1º de outubro de 2015, valerão novas regras. O aluno matriculado em curso de 25 semanas, poderá trabalhar 20 horas semanais durante o período de aulas, e 40 semanais durante o período de férias, que passará a ser de 8 semanas, é permitido o trabalho por 40 horas semanais desde que as férias coincidam com os meses de férias de verão europeu (junho a setembro) e recesso de fim de ano (15 de dezembro a 15 de janeiro). O visto total será de 8 meses, e não um ano como anteriormente

Remuneração: € 8,65 por hora. Média de € 600 mensais (fazendo 20 horas semanais)

Investimento: 25 semanas de curso + 1 semana de acomodação, a partir de R$ 7,4 mil

Mais informações aqui.

 

FRANÇA

Existe a possibilidade de trabalhar até 17 horas por semana ou 964 horas por ano, podendo exercer uma função por período integral só no período de férias, desde que não exceda o máximo de horas anuais. A Campus France é agência oficial do governo francês.

Exigências: Estudante com visto de longo prazo (mais de 6 meses), não é necessário solicitar uma autorização prévia para poder trabalhar, bastando assinar um contrato de trabalho. A empresa realiza as formalidades junto ao governo

Função: garçons e babás

Duração: O tempo que durar o visto do estudante, podendo trabalhar até 17 horas por semana ou 964 horas por ano (60% da carga horária do francês), podendo exercer um função por período integral só no período de férias, desde que não exceda o máximo de horas anuais

Remuneração: cerca de 700 euros por mês

Investimento: R$ 400 para obtenção de visto

Mais informações aqui.

 

AUSTRÁLIA

A Austrália concede visto de estudante com permissão de trabalho para quem faz cursos de mais de 14 semanas. “Ajuda a custear a estada enquanto se faz o curso”,  explica Alexandre Pucci, diretor financeiro da Associação Brasileira das Empresas Especialistas em Intercâmbio para Oceania.

Exigências: Visto requer o tempo mínimo de 60 dias. É preciso comprovar que têm condições financeiras para se manter enquanto estiver viajando

Função: faxina, lava-carros, auxiliar de cozinha, garçom, camareiro e pizzaiolo

Duração: Os cursos com duração maior do que 14 semanas (com 20 horas semanais) dão permissão para que o estudante possa procurar um emprego. Nesse caso, o estudante pode trabalhar durante 20 horas semanais. Nas férias, por 40 horas

Remuneração: R$ 37 por hora em média

Investimento: R$ 15 mil

Mais informações aqui.

 

CHINA

O estudante recebe oito aulas semanais de mandarim (duração de 45 minutos) nas quatro primeiras semanas do programa e duas aulas semanais (de uma hora) nos últimos quatro meses e meio.

Teath and Travel China

Exigências: não pede que fale mandarim. O candidato precisa ter de 18 a 45 anos, ensino médio completo e inglês avançado

Função: Estudar para ser professor de inglês para estrangeiros e ensinar inglês para jovens chineses de 4 a 18 anos em diferentes regiões da China.

Duração: de seis meses, com carga horária de 35 horas semanais de trabalho e alojamento inclusos.

Remuneração: cerca de R$ 1.200

Investimento: US$ 3.660

Mais informações aqui.

Mais conteúdo sobre:
Intercâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.