Vaticano libera arquivos sobre prisioneiros de guerra

O Vaticano está liberando mais de 2 milhões de fichas de seus arquivos secretos sobre o paradeiro de prisioneiros de guerra e outras pessoas desaparecidas, como parte do esforço para enfatizar o caráter humanitário do papado de Pio XII, informam representantes da Santa Sé. Alguns historiadores acusam papa Pio XII de complacência para com o nazismo.O Vaticano diz que a documentação é "testemunho do amplo trabalho social e de caridade inspirado por princípios de universalidade e imparcialidade" durante o pontificado de Pio XII.Ano passado o Vaticano iniciou a liberação, para estudiosos, de milhões de documentos dos anos anteriores à 2ª Guerra Mundial. As fichas de prisioneiros liberadas agora vão de 1936 a 1946, cobrindo inquéritos por toda a Europa quanto ao destino de soldados dos vários exércitos envolvidos no conflito e de pessoas desaparecidas no período.A informação constará de um livro em dois volumes, com preço de US$ 90. Além disso haverá um conjunto de oito DVDs, contendo imagens das fichas originais e os nomes dos 2,1 milhões de prisioneiros sobre cujo paradeiro houve pedido de informação. O conjunto de DVDs será vendido por US$ 490.

Agencia Estado,

09 de junho de 2004 | 12h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.