USP vai gastar R$ 2,8 milhões em vagas de garagem

Compra de imóveis no Centro Empresarial, em Santo Amaro, é amparada por estatuto da universidade, diz parecer

Carolina Stanisci, Estadão.edu

18 Abril 2011 | 19h26

A USP vai gastar $ 24,2 milhões na compra de imóveis para alojar servidores transferidos do câmpus do Butantã para escritórios no Centro Empresarial, em Santo Amaro. Só a compra de 40 vagas de garagem custará R$ 2,8 milhões. O Ministério Público Estadual recebeu representação do deputado Carlos Giannazi para investigar o caso. Funcionários que serão transferidos entraram em greve.

 

Segundo parecer assinado em fevereiro pelo membro da comissão de orçamento e patrimônio da USP, Michel Michaelovitch de Mahiques, a aquisição de duas unidades e 96 vagas no centro empresarial encontram amparo no estatuto da universidade, que dispõe que a autarquia, "mediante autorização da comissão de orçamento e patrimônio, poderá promover investimentos tendentes à valorização patrimonial e à obtenção de rendas aplicáveis na realização de seus objetivos".

 

O documento também autorizou a compra sem licitação. Os imóveis, segundo o parecer, pertencem à Fundação do Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo e são ideais para o "desenvolvimento de atividades-meio da universidade".

 

O texto de Mahiques foi aprovado pelos outros sete membros da comissão. Procurado, o diretor do Instituto Oceanográfico não quis falar com a reportagem.

 

A reitoria divulgou nota sobre o assunto: "O processo de aluguel e aquisição de imóveis foi feito dentro das necessidades e conforme todos os parâmetros da administração pública, que está à disposição dos órgãos competentes para qualquer análise".

 

Parte dos funcionários que seriam transferidos para Santo Amaro paralisaram as atividades na quinta-feira passada. Eles são contrários à mudança.

 

Segundo o diretor do sindicato dos trabalhadores da universidade Anibal Cavalli, a transferência é para "desarticular o movimento dos grevistas".

 

Leia mais:

 

Reitor da USP emite comunicado sobre transferência de funcionários

Pela segunda semana, reitoria da USP está de portas fechadas

Após assembleia, funcionários da reitoria da USP entram em greve

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.