Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

USP vai apurar suposta fraude em prova prática de residência médica

Há suspeita de que alguns candidatos estavam previamente cientes do conteúdos que seriam exigidos na avaliação; processo administrativo poderá invalidar a prova

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

18 Dezembro 2014 | 09h23

O superintendente do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, Marcos Felipe de Sá, iniciou apuração sobre uma suposta fraude na prova prática de residência médica da Faculdade de Medicina da USP da cidade (FMRP). Há suspeita de que alguns candidatos estavam previamente cientes do conteúdos que seriam exigidos na avaliação. Um processo administrativo poderá ser aberto para invalidar a prova. Se houver cancelamento, novo teste deverá ser realizado no dia 1º de fevereiro de 2015.

A comissão coordenadora do exame avaliou que houve "desempenho homogêneo e muito acima da média" em todas as questões da prova. O grupo também verificou que uma lista de "atitudes esperadas" do candidato, que estava disponível em um sistema eletrônico que só pode ser usado  mediante senha individual, foi acessada "diversas vezes" com o usuário e senha de indivíduos que não estavam ligados à elaboração da avaliação.

O documento com as constatações foi enviado pela comissão à Superintendência pedindo a anulação da prova. O superintendente já repassou os dados à Procuradoria Jurídica, que em parecer, pediu a garantia do direito de manifestação dos alunos aprovados na prova prática e abertura do processo administrativo que pode invalidar a prova.

"É importante ressaltar que não houve nenhuma denúncia externa e que todas as medidas foram tomadas imediatamente pela própria Comissão da Prova", diz nota da FMRP-USP.

A prova foi realizada no último domingo, 14, por 656 candidatos. Há 149 vagas no Hospital das Clínicas  para a residência de 1º ano.

Mais conteúdo sobre:
medicina residência fraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.