USP terá base de estudo na Serra do Mar

Centro interdisciplinar voltado para pesquisas sobre Mata Atlântica quer atrair pesquisadores estrangeiros; custo é estimado em R$ 2,5 milhões

PAULO SALDAÑA, RODRIGO BURGARELLI , O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2011 | 09h56

A Universidade de São Paulo (USP) vai construir uma unidade de estudos no pé da Serra do Mar para atrair estudantes e pesquisadores estrangeiros, de diferentes áreas de atuação, interessados em projetos sobre a Mata Atlântica. Será a primeira base científica nesse modelo em todo o País. A expectativa da universidade é que o centro, com custo estimado em R$ 2,5 milhões, seja concluído até 2013.

O tema central do futuro polo da USP será a Mata Atlântica, mas o objetivo da instituição é que ele atraia pesquisadores de vários perfis.

"O tema é a floresta, mas caberá qualquer enfoque, como geologia, biologia, clima, solo e educação, entre outros", explica o professor Wellington Delitti, coordenador de Gestão Ambiental da universidade.

Uma comissão com membros de várias unidades da USP será formada para definir os detalhes do regimento da base. Mas a presença de estrangeiros no prédio que ficará no meio da mata já é uma das prioridades. "Cada estrangeiro que vier deverá ter um parceiro brasileiro para seu projeto de pesquisa", afirma Delitti.

Além do prédio de pesquisas, a nova unidade receberá um alojamento para abrigar estudantes da universidade ou visitantes de outros Estados e países, refeitório e estacionamento. A base científica será construída sobre passarelas elevadas, de modo a causar o menor impacto ambiental possível.

A unidade contará ainda com tecnologia para geração de energia por meio de fontes renováveis, como painéis de teto solar, além de estação de tratamento de água.

O reitor da USP, professor João Grandino Rodas, classifica o projeto como "fundamental" para a universidade. "A Superintendência de Gestão Ambiental realizou um dos projetos mais inventivos da USP." A instituição possui 42 unidades de ensino e pesquisa e 6 centros e institutos especializado.

Ocioso. O terreno tem cerca de 30 mil metros quadrados e fica no município de São Bernardo do Campo, na Região Metropolitana de São Paulo - próximo à interligação das rodovias Anchieta e Imigrantes. A área, a cerca de 41 quilômetros do centro, foi doada ao Instituto de Biociências da USP em 1953. Localizado bem no início do trecho de Serra da Anchieta, o local totalmente coberto pela mata permaneceu ocioso até hoje e nunca teve um uso definido.

O plano inicial é que as obras não consumam recursos do orçamento próprio da universidade. A Superintendência de Gestão Ambiental, responsável pela execução do projeto, procura investidores privados para completar o financiamento.

O órgão informou que já há conversas adiantadas com empresas interessadas em uma parceria com a USP. O reitor, entretanto, garantiu que o empreendimento não depende apenas desses esforços e não ficará no papel. Caso a participação da iniciativa privada não seja suficiente para arcar com os custos, a USP o financiará com seu orçamento. "A universidade entende que a busca dessa participação privada não deve retardar esse projeto", completa ele.

Mais conteúdo sobre:
EducaçãoUSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.