USP é a universidade paulista que terá de matricular mais alunos da rede pública

Instituição terá de incluir 1.128 alunos de escolas públicas até 2016

Paulo Saldaña, de O Estado de S. Paulo,

20 Dezembro 2012 | 13h40

Com a implementação do Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista (Pimesp), anunciado nesta quinta-feira, 20, pelo governador Geraldo Alckmin, as universidades do Estado de São Paulo terão de matricular mais 4.520 estudantes da rede pública até 2016 para alcançar a proporção prevista pelo plano, de metade das vagas ocupadas por alunos da rede pública. Só a USP precisará matricular 1.128 alunos da rede para alcançar a meta.

Na Unesp, esse número é de 652. Na Unicamp, 307 vagas serão destinadas a alunos oriundos de escolas públicas. A Fatec terá de matricular 408 estudantes da rede. Esses números contemplam os estudantes provenientes da rede pública, já com porcentual de pretos, pardos e índios. Este grupo deve representar 35% de todos os cotistas, respeitando-se assim, a mesma proporção registrada no Estado de São Paulo.   

No primeiro ano de vigência do programa, em 2014, serão matriculados em todas as universidades 1.299 estudantes da rede. Só na USP, serão 637 mais vagas destinadas a alunos de escola pública.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.