Universitários têm novas opções de crédito educativo

Nesta semana, o Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior de São Paulo (Semesp) criou uma espécie de crédito educativo privado para emprestar dinheiro a universitários carentes. Funciona assim: o aluno começa a pagar a dívida um ano depois que se forma, em um prazo igual ao número de meses estudados com bolsa. Em vez de juros, o estudante paga as parcelas no valor atualizado do curso em questão. O diretor-executivo do Semesp, Marcos Valdivia, alerta que o aluno que abandonar o curso é obrigado a pagar o reembolso à vista. De acordo com ele, as instituições de ensino sempre ofereceram financiamentos do tipo, mas não havia unidade entre os modelos adotados. Nenhum convênio foi firmado até agora, mas existem 40 potenciais candidatas a fazer parte do programa. A previsão é que 10 mil bolsas de ensino sejam concedidas até o próximo ano. InadimplênciaO índice de inadimplência chega a 20% entre os alunos do ensino superior do Estado de São Paulo ? dos 800 mil inscritos, 160 mil são devedores temporários ou permanentes. O dinheiro para bancar o curso virá da própria escola. É ela que irá definir os critérios sobre quem pode receber uma bolsa e qual limite de financiamento a que terá direito. Ter boas notas, por exemplo, poderá ser um deles. Bolsa da Prefeitura é integral A solução criada pelas faculdades é interessante, pois não cobra juros e dá um prazo para que o aluno entre no mercado de trabalho. O ideal mesmo seria não ter de pagar nada para estudar. Algumas faculdades dão bolsa integrais de estudo, mas o número de vagas costuma ser restrito. Com o objetivo de conceder esse tipo de benefício, a Secretaria Municipal do Trabalho de São Paulo deve anunciar um projeto em julho deste ano. O programa vai financiar a faculdade de estudantes que venham de famílias que têm uma renda mensal de até R$ 1 mil.Os critérios ainda não estão definidos, mas é bem possível que ele tenha as mesmas características de outro programa da Prefeitura de São Paulo, o Bolsa Cursinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.