Universidades paulistas estudam boicote ao Enade

O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), substituto do Provão, poderá ocorrer sem a participação das três universidades estaduais paulistas. A decisão oficial deverá ser anunciada na próxima semana, mas em reuniões internas a possibilidade de boicote à avaliação foi levantada e está sendo debatida nas pró-reitorias de graduação.Os motivos seriam discordâncias técnicas quanto à metodologia de avaliação utilizada pelo Ministério da Educação. A prova aplicada por amostragem - no Provão era para todos os alunos - é um dos principais problemas apontados.Amostragem"Nós percebemos muitos problemas com o Enade. É possível que, da maneira como ele está, sendo por amostragem e para alguns cursos, ele não avalie quase nada. Mas temos que ver a opinião dos alunos e dos professores. É uma decisão muito séria, que está em fase preliminar de debate", afirmou o pró-reitor de Graduação da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Wilson Galego Garcia.O Conselho de Graduação da Unesp) fará na quinta-feira uma reunião para debater e votar uma posição sobre o assunto.DecisõesFontes ouvidas pela reportagem afirmaram que o Conselho de Graduação da Universidade de São Paulo (USP) decidiu, em votação na semana passada, não fazer parte da avaliação. A pró-reitoria de graduação da universidade preferiu não comentar o assunto.Na Universidade de Campinas (Unicamp), a possibilidade ainda está em discussão e será decidida nos próximos dias pelo reitor Carlos Henrique Brito Cruz. Ele também não se pronunciou.Posição conjuntaDepois disso, representantes das três universidades vão se reunir para formalizar uma posição e elaborar um documento que será enviado para o MEC.As instituições têm até o dia 19 para enviar ao ministério uma lista com os alunos aptos a fazer a prova.

Agencia Estado,

31 de agosto de 2004 | 11h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.