Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Universidades paulistas propõem reajuste zero; USP quer reduzir jornada

Neste ano, as três instituições receberam R$ 3,67 bi do Estado, mas gastaram R$ 3,69 bi com salários de funcionários

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2017 | 03h00

SÃO PAULO - Em meio à crise financeira, a Universidade de São Paulo (USP) vai propor um novo Plano de Incentivo à Redução de Jornada (PIRJ). A instituição, em decisão conjunta com os reitores das universidades estadual de Campinas (Unicamp) e Paulista (Unesp), apresentou também proposta de reajuste zero para os servidores neste ano. As duas propostas serão levadas nesta terça-feira, 30, ao Conselho Universitário. Sindicatos de professores e trabalhadores discutem possibilidade de paralisação. 

O Conselho dos Reitores das Universidades Paulistas (Cruesp) disse, em nota, que os “altos níveis de comprometimento de orçamento com a folha de pagamento não permitem realizar qualquer reajuste salarial neste momento”. Nos primeiros cinco meses deste ano, as três instituições receberam R$ 3,67 bilhões do governo estadual, mas gastaram cerca de R$ 3,69 bilhões com os salários dos servidores – 0,4% a mais que o repasse.

No entanto, no mesmo período do ano passado, as universidades gastaram com o pagamento dos salários 9,9% a mais do que os repasses recebidos. Ainda assim, foi concedido um reajuste de 3% para os servidores de USP e Unicamp – a Unesp aprovou o porcentual, mas informou que só o implementará quando tiver “disponibilidade financeira e orçamentária”. 

O Cruesp informou que “envidará todos os esforços institucionais possíveis de recuperação salarial, tão logo as condições econômicas permitam”. Com a crise econômica no País, as instituições tiveram uma queda de repasses – a principal fonte de receita delas é a cota fixa de 9,57% da receita do Estado com o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), tributo com a maior redução de arrecadação.

Em valores corrigidos pela inflação, as universidades receberam nos primeiros cinco meses 0,9% a menos que no mesmo período do ano passado – redução de cerca de R$ 33 milhões. 

Plano. Para reduzir as despesas com a folha de pagamentos, a USP tenta aprovar nesta terça-feira a segunda edição do PIRJ, que propõe aos servidores técnico-administrativos reduzir a jornada de trabalho de 40 para 30 horas semanais, com redução proporcional nos salários. Para incentivar a adesão, a cada seis meses o participante recebe um abono de um terço do salário atual. Para a nova versão, terá prioridade quem tem filhos menores de 6 anos e os que estão ou pretendem estudar. 

A primeira edição do plano foi aprovada em julho do ano passado e teve a adesão de 352 servidores. A USP não informou qual foi o valor economizado. A universidade considera que o plano também é uma forma de “readequar o quadro de recursos humanos”. Em março, a USP aprovou projeto do reitor Marco Antonio Zago que prevê que a proporção de professores deve ser de 40% do total de servidores. Hoje, é de 28,7%. De 20,9 mil funcionários, 6 mil são docentes.

Greve. Os sindicatos dos professores e servidores da USP reprovam as propostas da reitoria da instituição. Um boletim do Sintusp diz que a crise da universidade não pode “cair nas costas do trabalhador”. 

O diretor da Associação de Docentes da USP (Adusp), César Minto, disse que o reajuste zero significa uma redução de salário para os servidores, já que no ano passado eles reivindicavam 12,3% de perdas salariais, mas só receberam 3%. “Estamos acumulando 10% de perdas salariais nos últimos dois anos. É um absurdo proporem isso, estamos abaixo do arrocho salarial. Eu acho que há motivo para greve.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.