Universidades brasileiras vão aos EUA para fortalecer intercâmbio

Objetivo é estreitar os laços com instituições norte-americanas e promover o Ciência sem Fronteiras

Estadão.edu,

17 Fevereiro 2012 | 20h56

Representantes de 25 universidades de todas as regiões do Brasil vão conhecer os principais centros de produção de conhecimento dos Estados Unidos, informou, nesta sexta-feira, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

 

No domingo, 19, a missão embarca para a América do Norte visando a estreitar laços e ampliar o intercâmbio de brasileiros para os EUA previsto no programa Ciência sem Fronteiras.

 

A delegação ficará no país até 3 de março. Serão realizadas visitas a universidades, empresas e laboratórios nas regiões oeste, meio-oeste e leste.

 

Também estão previstas reuniões, em Washington, na Embaixada do Brasil e no Departamento de Estado norte-americano. Nos encontros será discutido como aprofundar o intercâmbio acadêmico e científico entre os dois países.

 

A organização da visita da missão está sob a responsabilidade da Embaixada dos EUA no Brasil, da Capes e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), com o auxílio da Embaixada do Brasil nos EUA.

 

Bolsas

 

O programa Ciência sem Fronteiras prevê a oferta de aproximadamente 100 mil bolsas de estudos, em quatro anos, a alunos de graduação e pós-graduação. Com o estágio no exterior, os bolsistas manterão contato com sistemas educacionais competitivos na área de tecnologia e inovação.

 

O Ciência sem Fronteiras também pretende atrair pesquisadores do exterior que queiram se fixar no Brasil ou estabelecer parcerias com pesquisadores brasileiros em áreas prioritárias pré-definidas, bem como criar oportunidade para que pesquisadores de empresas recebam treinamento especializado no exterior.

Mais conteúdo sobre:
Intercâmbio Ciência sem fronteiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.