Universidades brasileiras caem em ranking de países emergentes

O Brasil tem sete universidades entre as 50 melhores, duas a menos do que em 2015; Brasileira melhor colocada, USP também perdeu posição

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

19 Julho 2016 | 20h00

SÃO PAULO - Pelo segundo ano consecutivo, as universidades brasileiras perderam espaço no ranking das melhores instituições de ensino superior dos países emergentes, os chamados Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), segundo classificação da consultoria britânica Quacquarelli Symonds (QS). O Brasil tem sete universidades dentre as 50 melhores, duas menos do que em 2015.

A Universidade de São Paulo (USP) continua como a melhor colocada instituição do Brasil, na 10ª posição. É o segundo ano que a USP perde posição - em 2015 era a 9ª e em 2014, 7ª. A segunda melhor instituição brasileira é a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) que aparece em 12º lugar, o mesmo do ano passado. 

Perderam posição e saíram da lista das 50 melhores, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Outras quatro universidades brasileiras que aparecem no top 50 também perderam posição neste ano, são a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Estadual Paulista (Unesp), a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

A análise incluiu o rendimento das 250 melhores universidades das cinco nações que compõem o Brics. O Brasil é o terceiro com o maior número de universidades, com 54 instituições no ranking. O país fica atrás da China que tem 86 instituições e a Rússica, com 55.

Na lista das dez principais instituições, a China lidera com 7 universidades. Brasil, Índia e Rússia têm apenas uma instituição cada uma nessa lista. 

Critérios. O ranking QS é elaborado com base em oito indicadores de desempenho: reputação no meio acadêmico, no mercado de trabalho, reputação de professores, taxa de professores com doutorado, de artigos indexados por professor, citações por artigo, taxa de professores estrangeiros e taxa de estudantes estrangeiros. 

Os dois últimos quesitos, que em geral desfavorecem as universidades brasileiras, respondem por 5% do cálculo. Metade dele leva em conta a reputação no meio acadêmico (30%) e no mercado de trabalho (20%). A USP, por exemplo, é avaliada com 100% de desempenho nos quesitos de reputação acadêmica e de professores e na taxa de professores com doutorado. Mas é avaliada com 77,4% em citações por artigo e 43% na taxa de estudantes e professores estrangeiros. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.