Universidades aderem a programa de bolsas para ação comunitária

Mais quatro instituições federais de ensino superior lançaram suas versões do Programa Conexões de Saberes. São as universidades do Amapá, Tocantins, Paraíba e São Carlos (SP). O programa, desenvolvido pelo Ministério da Educação (MEC), por meio da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) em parceria com o Observatório de Favelas (RJ), atende a estudantes de origem popular, a fim de garantir a continuidade dos estudos e contribuir para que modifiquem a realidade do seu território de origem.Em 2006, o programa foi ampliado para mais 18 universidades, contemplando todos os Estados do País. Já inclui 32 instituições federais de ensino superior e envolve 1.410 estudantes, que recebem bolsas no valor de R$ 300 para o desenvolvimento de trabalhos de pesquisa e extensão. Cada universidade tem um grupo de, no mínimo, 25 estudantes selecionados por critérios socioeconômicos, como morar ou ser originário de favelas ou periferias. Também são considerados fatores como a escolaridade dos pais, renda familiar, origem étnica e participação em atividades sociais dentro da comunidade de origem.O programa oferece apoio para que os jovens consigam acompanhar e avaliar o impacto de políticas públicas nos espaços comunitários. As universidades têm autonomia para elaborar projetos de atuação baseados em indicadores sociais locais.

Agencia Estado,

19 de outubro de 2006 | 15h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.