Universidade Solidária abre 1.º núcleo regional no Sul

O programa Universidade Solidária (UniSol), que mobiliza equipes universitárias para trabalhos em comunidades em todo o Brasil, abriu no Rio Grande do Sul seu primeiro núcleo regional. A ex-primeira-dama Ruth Cardoso, sócia-fundadora do UniSol, fez o anúncio a uma platéia de 600 pessoas no 4.º Fórum de Responsabilidade Social, em Porto Alegre.Criado em 1995, como parte do Comunidade Solidária, o UniSol integra hoje a rede organizações Comunitas, coordenada por Ruth Cardoso. Dezenas de universidades brasileiras participam dos programas, que enviam estudantes e professores para comunidades com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) com a missão de estudar os problemas e estimular propostas de soluções pelos moradores.Segundo Ruth, o programa continuará tendo abrangência nacional, mas a experiência do Rio Grande do Sul pode resultar em novas iniciativas regionais. Inicialmente, o UniSol deve manter atividades em Rio Grande, São José do Norte e São Valério do Sul. Depois tende a se estender para dezenas de outros municípios, sempre buscando parcerias com universidades, empresas e outros financiadores.Papel do EstadoAo falar aos participantes do 4.º Fórum de Responsabilidade Social, Ruth Cardoso disse que o Tericeiro Setor precisa absorver a flexibilidade que a iniciativa privada tem. O Estado, disse ela, deve dar conta de oferecer e garantir educação, saúde, direitos trabalhistas e segurança e, ao mesmo tempo, buscar parcerias para resolver problemas específicos, como o da prevenção ao uso de drogas e o dos meninos de rua.Para Ruth Cardoso, os novos tempos não permitem mais dissociar desenvolvimento econômico de desenvolvimento social. ?Não podemos acreditar no que nos foi dito por muitos anos no Brasil de que o desenvolvimento econômico vai acabar por resolver os problemas sociais?, comentou, ressalvando que também não adiantaria inverter aequação e pensar que a simples existência de programas sociais vai trazer desenvolvimento econômico.Em suas entrevistas e nas respostas à platéia, Ruth Cardoso evitou avaliar o desempenho do governo de Luiz Inácio Lula da Silva na área social. Considerou apenas que o Fome Zero não é um programa de inclusão social, mas admitiu que seria difícil opinar sobre a eficiência da iniciativa. ?Tenho poucas informações?, desculpou-se.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.