Universidade do ABC fica no papel

Um exemplo de investimento anunciado pelo governo Lula e que não saiu no prazo fixado é o da Universidade Federal do Grande ABC (UFABC). No dia 26 de julho de 2005, Lula sancionou o projeto de lei de criação da universidade com previsão para o início das aulas do ciclo básico para o primeiro semestre de 2006. No segundo semestre seriam oferecidas as aulas de engenharia e de pós-graduação.A data passou sem que houvesse condições de a instituição iniciar seu funcionamento. Agora, o vestibular está marcado para os dias 16 e 30 deste mês e só em setembro - 9 meses após o prometido e 1 mês antes da eleição - as aulas irão de fato começar. Com um detalhe: em um prédio improvisado, pois o terreno cedido pela prefeitura de Santo André para virar campus ainda funciona como garagem municipal.O processo de contratação das obras ainda está no início. Na semana passada, 14 empresas apresentaram documentação para participar da licitação. A previsão da UFABC é de que as obras se iniciem em setembro e sejam concluídas em 30 meses.O prédio provisório da universidade foi alugado por R$ 15 mil mensais, por 3 anos e, segundo assessoria da UFABC, "as dependências passam por ajustes para receber os primeiros alunos" - 500 no total. Os primeiros 120 professores dos 600 prometidos por Lula devem ser nomeados nesta semana; outros 110 funcionários, até o início das aulas. Em maio, a universidade deve atender 1.500 alunos e, em pleno funcionamento, contará com 23,5 mil alunos.Segundo o MEC, o governo federal disponibilizou para 2005 e 2006 R$ 57,3 milhões para obras na UFABC e em 2007 outros R$ 53 milhões serão liberados. No entanto, da garagem de 70 mil m2 cedida pela prefeitura, apenas dois pequenos prédios na entrada estão com a universidade. Nas outras instalações, funcionam departamentos da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.