Universidade australiana tenta conter racistas

Autoridades australianas estão tentando desmontar um movimento de ultradireita na Universidade de Newcastle, onde grupos racistas e xenófobos estão em franca campanha contra alunos negros e estrangeiros. O movimento, das chamadas Aliança Nacional e Liga da Juventude Patriótica, afirma que os estrangeiros ocupam vagas dos australianos na universidade.Às alunas brancas, a campanha ultradireitista recomenda não manterem relações sexuais com negros, a quem os racistas culpam pela disseminação da aids. O movimento espalhou pôsteres e cartazes no campus e na cidade de Newcastle, um centro industrial a 150 km ao norte de Sidney.O vice-reitor Ron McDonald, encarregado dos estudantes estrangeiros na universidade, disse à rádio Australian Broadcasting Corp que não há registros de agressões físicas, e que os dirigentes da instituição estão determinados a pôr fim à campanha. Mesmo comentários racistas em murais estão sendo removidos. Mas, antes, seguranças estão buscando identificar quem os está afixando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.