Reprodução
Reprodução

Unip atribui desempenho no Enade a 'qualificação de cursos'

Efeito é observado na posição de egressos no mercado de trabalho, afirma universidade

Estadão.edu,

02 Março 2012 | 17h09

SÃO PAULO - A vice-reitora da Unip, Marília Ancona Lopez, negou que a universidade tenha deixado alunos sem nota para evitar que prestassem o Enade. “Todo mundo que completou o curso fez o exame.” Ela disse que houve “dois ou três” casos de estudantes cujas notas foram atribuídas com atraso. “Foi um número muito pequeno e nós informamos ao MEC os motivos”, disse. “Às vezes acontece de o professor demorar a dar a nota porque o aluno entregou algum trabalho com atraso.”

Como o Estadão.Edu revelou nesta sexta-feira, o MEC enviou ofício ontem à Unip cobrando, no prazo de dez dias, explicações sobre indícios de irregularidades nas notas do exame, carro-chefe de uma agressiva campanha de marketing veiculada na imprensa e em outdoors. Quarta maior universidade do País, com 200 mil estudantes, a Unip é acusada de selecionar apenas os melhores alunos para fazer o Enade: quanto menor o número de inscritos no exame, melhor é o desempenho da instituição. Com isso, pode colocar em xeque todo o sistema de avaliação do ensino superior. 

Marília atribuiu o desempenho muito acima da média nacional a um esforço iniciado em fins da década passada: a Unip passou a tratar o Enade como prioridade e criou uma comissão para acompanhar a qualidade dos cursos. Marília disse que a comissão adotou providências como analisar a fundo as diretrizes do Enade. “Preparamos quase 100 volumes de material de preparação para o exame.” Outras medidas foram investir na qualificação dos professores e sensibilizar alunos. “Fizemos palestras motivacionais e demos prêmios, como bolsas em cursos de pós a distância da Unip e iPods.”

Marília afirmou que a Unip ainda não recebeu o ofício do MEC pedindo explicações sobre denúncias de fraude. “Temos dados para mostrar que não há irregularidades. A Unip é muito grande, é visada. Então sempre tomamos cuidado para fazer tudo certo.”

Leia a íntegra da nota da Unip, divulgada mais cedo nesta sexta:

"A Unip tem se saído muito bem no Enade. O curso de Odontologia teve o resultado mais alto no Enade do País, o de Enfermagem ficou no 4° lugar no País, sendo o primeiro lugar no estado de São Paulo e todos os outros cursos de graduação tradicional tiveram resultados positivos. No Enade de 2009, os resultados dos cursos também foram excelentes. 

Esses resultados decorrem das medidas que são continuamente tomadas pela Universidade para qualificar cada vez mais os seus cursos, independentemente das avaliações externas. Entre elas, podemos citar: atualização de ementas e programas, revisão de bibliografias, acompanhamento das avaliações, produção de material didático, investimento nos laboratórios e infraestrutura, utilização de novos recursos didáticos e, principalmente, capacitação de professores. Inclusão de aulas e mudanças de horários são medidas que acompanham a atualização de matrizes e ocorrem em diferentes cursos. O efeito dessas medidas é observado, também, no grande número de egressos aprovados em concursos e bem posicionados no mercado de trabalho".

* Atualizada às 20h21 para incluir entrevista com a vice-reitora Marília Lopez

Mais conteúdo sobre:
Unip Enade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.