Unicid tem que diferenciar licenciatura de bacharelado em Educação Física

Em termo assinado com MPF, universidade deve explicar que quem faz licenciatura não pode ser personal trainer

Estadão.edu

17 de maio de 2010 | 16h27

A Universidade da cidade de São Paulo (Unicid) assinou termo de ajustamento de conduta com o Ministério Público Federal em São Paulo, na quinta-feira da semana passada, em que se compromete a informar as possibilidades de atuação profissional dos formados nos cursos de Educação Física ministrados pela universidade.

 

O site da Unicid não deixava clara a diferença entre a graduação e a licenciatura em Educação Física. A área de atuação profissional dos alunos formados em cada curso é diferente. Profissionais

formados em licenciatura não podem trabalhar como personal trainer, por exemplo, função limitada aos alunos graduados. E quem se forma no curso de licenciatura em Educação Física só pode atuar como professor.

 

No termo firmado entre o MPF e a Unicid, o órgão pede que a faculdade insira em seu site, até o dia 30 de maio, informação detalhada sobre a diferença entre os cursos de bacharelado e licenciatura na qual deve constar o seguinte texto: “Há diferença na atuação profissional de licenciados e bacharelados

em Educação Física. Os licenciados, tendo concluído curso de duração mínima de três anos, estão qualificados apenas para atuar como professores na educação básica (ensino fundamental e médio). Os bacharelados, depois de concluído curso de duração mínima de quatro anos, poderão atuar exclusivamente em clubes esportivos, academias de ginástica, como personal trainer e assemelhados, não podendo atuar como professores na educação básica”.

 

A procuradora da República responsável pelo termo, Adriana da Silva Fernandes, também pede que a universidade encaminhe um relatório detalhado das providências adotadas para o cumprimento do acordo.

 

Se a faculdade não cumprir integralmente o acordo, o MPF estabelece multa diária no valor de R$ 5 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.