Nilton Fukuda/ESTADÃO
Nilton Fukuda/ESTADÃO

Unicamp testa tecnologia contra ‘colas eletrônicas’ em vestibular neste domingo

Vestibular que começa neste domingo, 19, testa sistema que detecta sinal de celular ou de radiofrequência; em prova de residência médica, resultado foi positivo

Ricardo Magatti, Especial para o Estado

18 Novembro 2017 | 20h00

CAMPINAS - As provas da 1.ª fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que serão aplicadas neste domingo, 19, terão uma novidade. A instituição vai testar um sistema contra “cola eletrônica”, que usa o conceito de Internet das Coisas e promete detectar qualquer sinal de celular, via Wi-Fi ou Bluetooth, ou de radiofrequência. 

Os sinais serão captados por uma rede de sensores instalada nas salas e nos banheiros dos locais do exame, que fica conectada a um software em nuvem. Esse software específico transfere as informações, em tempo real, para uma central de controle, que mostra a frequência do sinal, local, hora e até a operadora. Aparelhos não homologados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) também podem ser detectados. 

A tecnologia já foi testada no último domingo, em menor escala, nas provas de residência médica da Unicamp. Para o vestibular, o sistema será testado só nas 19 salas da Unicamp, em Campinas. Os locais de prova das outras 31 cidades paulistas que recebem o exame não terão a tecnologia. 

“O vestibular da Unicamp, por sua credibilidade e compromisso, tem de antever esse tipo de tentativa de fraude. Por esse primeiro experimento (na prova de residência médica), o indício é bastante favorável”, diz José Alves de Freitas Neto, coordenador executivo da Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp. 

Além da nova tecnologia, a universidade possui detectores de metal em alguns banheiros e nos acessos aos prédios. 

Neste ano, a Unicamp teve recorde de inscrições: 83.782 candidatos disputarão 3.340 vagas em 70 cursos de graduação. A prova tem 90 questões e o tempo máximo de resolução é de cinco horas.  

Enem. Neste ano, o Ministério da Educação (MEC) usou detectores de ponto eletrônico para identificar quem tenta usar pontos eletrônicos ou aparelhos de transmissão. O novo recurso é um receptor avançado de detecção de campo próximo, capaz de identificar a emissão de sinais em radiofrequência de Wi-Fi, Bluetooth, celulares e transmissões ilegais. O MEC também usou detectores de metal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.