Antonio Scarpinetti
Antonio Scarpinetti

Unicamp tem greve de funcionários por reajuste salarial

Conselho de Reitores oferece 1,5% de reajuste, válido também para USP e Unesp, mas servidores da instituição pedem 12,6%

Rene Moreira e Júlia Marques, Especial para O Estado

22 de maio de 2018 | 20h54
Atualizado 23 de maio de 2018 | 12h48

FRANCA E SÃO PAULO - Servidores técnico-administrativos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) iniciaram nesta terça-feira, 22, uma greve para reivindicar reajuste salarial de 12,6%. A universidade ofereceu aumento de 1,5% em reunião na semana passada - proposta rejeitada pelos servidores. Eles reclamam de perdas acumuladas nos últimos três anos.

+ Universidades brasileiras caem novamente em ranking internacional

Em manifestação nesta terça, os servidores percorreram o câmpus com cartazes e foram até a reitoria. A Biblioteca Professor Joel Martins fechou as portas. Uma mensagem no prédio nesta terça informava que o atendimento estaria interrompido por “tempo indeterminado”.

O Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU) não divulgou o número de funcionários parados e a reitoria afirma que todas as unidades funcionaram normalmente. Segundo a Unicamp, o aumento proposto “é o que a conjuntura atual permite”. A principal fonte de receita das universidades estaduais paulistas é a cota fixa de 9,57% da arrecadação estadual do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

USP e Unesp. O reajuste oferecido a servidores da Unicamp é o mesmo proposto a trabalhadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Docentes da USP aprovaram indicativo de greve a partir de segunda-feira. Na Unesp, nova assembleia nesta sexta-feira decidirá se haverá paralisação. 

Para o professor João Chaves, coordenador do Fórum das Seis, que representa sindicatos de professores e funcionários das três universidades, a proposta de reajuste é “um insulto”. Chaves destaca ainda problemas como falta de reposição de funcionários nas instituições. “Esse dinheiro (do ICMS) tem sido aplicado em várias coisas, menos para a contratação.” 

Em comunicado na semana passada, o Cruesp - conselho formado pelos reitores das paulistas - informou que “envidará todos os esforços institucionais possíveis de recuperação salarial tão logo as condições econômicas permitam”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.