Antonio Scarpinetti
Antonio Scarpinetti

Unicamp tem greve de funcionários por reajuste salarial

Conselho de Reitores oferece 1,5% de reajuste, válido também para USP e Unesp, mas servidores da instituição pedem 12,6%

Rene Moreira e Júlia Marques, Especial para O Estado

22 Maio 2018 | 20h54
Atualizado 23 Maio 2018 | 12h48

FRANCA E SÃO PAULO - Servidores técnico-administrativos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) iniciaram nesta terça-feira, 22, uma greve para reivindicar reajuste salarial de 12,6%. A universidade ofereceu aumento de 1,5% em reunião na semana passada - proposta rejeitada pelos servidores. Eles reclamam de perdas acumuladas nos últimos três anos.

+ Universidades brasileiras caem novamente em ranking internacional

Em manifestação nesta terça, os servidores percorreram o câmpus com cartazes e foram até a reitoria. A Biblioteca Professor Joel Martins fechou as portas. Uma mensagem no prédio nesta terça informava que o atendimento estaria interrompido por “tempo indeterminado”.

O Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU) não divulgou o número de funcionários parados e a reitoria afirma que todas as unidades funcionaram normalmente. Segundo a Unicamp, o aumento proposto “é o que a conjuntura atual permite”. A principal fonte de receita das universidades estaduais paulistas é a cota fixa de 9,57% da arrecadação estadual do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

USP e Unesp. O reajuste oferecido a servidores da Unicamp é o mesmo proposto a trabalhadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Docentes da USP aprovaram indicativo de greve a partir de segunda-feira. Na Unesp, nova assembleia nesta sexta-feira decidirá se haverá paralisação. 

Para o professor João Chaves, coordenador do Fórum das Seis, que representa sindicatos de professores e funcionários das três universidades, a proposta de reajuste é “um insulto”. Chaves destaca ainda problemas como falta de reposição de funcionários nas instituições. “Esse dinheiro (do ICMS) tem sido aplicado em várias coisas, menos para a contratação.” 

Em comunicado na semana passada, o Cruesp - conselho formado pelos reitores das paulistas - informou que “envidará todos os esforços institucionais possíveis de recuperação salarial tão logo as condições econômicas permitam”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.