Unicamp lança laboratório sobre rodas

Um grupo de estudantes entra no caminhão adaptado e o desafio científico e tecnológico é apresentado. A partir de ferramentas como alicates, serras, lixas, furadeiras, tornos e pequenos motores, eles devem descobrir soluções para problemas, com a orientação de monitores e professores. Essa é a proposta do projeto Oficina Desafio, parceria entre o Museu Exploratório de Ciências da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e o Instituto Sangari, organização não-governamental educacional, que percorrerá escolas de ensino fundamental e médio em todo o Estado de São Paulo. ?A idéia é instigar a imaginação, na medida em que os jovens terão que projetar, construir e operar artefatos capazes de solucionar o problema proposto. Para isso, eles têm à disposição mais de 300 peças que vão de tábuas de madeira e tubos de PVC a molas, bolas de gude, pregos e parafusos?, disse Marcelo Firer, coordenador do Oficina Desafio.O lançamento do projeto ocorreu na quinta-feira, no estacionamento da Biblioteca Central da Unicamp. De Campinas, o caminhão segue para a 58ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que será realizada na semana que vem, em Florianópolis. Em agosto, o Oficina estará de volta a São Paulo, para atender a escolas do interior. ?Nossa intenção é consolidar o projeto na SBPC, um evento de grande visibilidade científica, para depois partirmos para outras regiões do Estado?, disse Firer, também professor do Instituto de Matemática, Estatística e Ciência Computacional da Unicamp. O pesquisador explica que as atividades do projeto serão divididas em pequenos e grandes desafios. No primeiro caso, o problema é apresentado e as equipes trabalham até o final do período escolar, quando é oferecido um certificado aos autores das soluções mais originais. Um exemplo de desafio é tentar criar um suporte para copos plásticos, comuns em festas infantis, que muitas vezes quebram e espalham a bebida, quando servida em grandes quantidades. Nos grandes desafios, além de as equipes terem maior número de alunos, a busca pela solução tecnológica, que pode levar até três meses, termina com um evento em que os participantes recebem prêmios em diferentes categorias. Uma das propostas lançadas é a construção de um protótipo de elevador para operar em minas de carvão. ?Os alunos devem montar os mecanismos básicos do elevador, como roldanas e engrenagens, além de um dispositivo de emergência. Nesse caso, além de incentivar o trabalho em equipe, são abordados conceitos de física e matemática?, conta Firer. Os grandes desafios serão lançados apenas no fim de agosto. As escolas interessadas em participar dos pequenos desafios já podem agendar uma visita do caminhão na página eletrônica do Oficina Desafio. O projeto tem apoio da Fapesp e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Agencia Estado,

14 de julho de 2006 | 15h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.