Unicamp fecha primeiro dia da segunda fase de seu vestibular

A chuva fina serviu de refresco para os candidatos da segunda fase do vestibular da Unicamp, em Campinas, em seu primeiro dia de provas da segunda fase, com as disciplinas de língua portuguesa, literatura portuguesa e ciências biológicas. Dos 46.593 inscritos foram selecionados 13.304 (28,6%) candidatos para a segunda fase, em busca de 2.690 vagas. Os exames prosseguem até quarta-feira.O índice geral de abstenções ficou em 5,61%, um pouco maior que no ano passado, quando 5,28% dos inscritos não compareceram, a menor taxa de abstenções em toda história do vestibular da Unicamp. As maiores ausências foram notadas nas capitais. Belo Horizonte, 18,52%, Salvador, 10,85%, seguido de Brasília, com 10,55%. As menores ausências, porém, estão em Campinas e interior de São Paulo, respectivamente 3,69% e 4,87%. Na Grande São Paulo, 7,21%. "Está havendo uma regionalização do ensino superior", disse o coordenador do vestibular da Unicamp, Leandro Tessler, argumentando que o motivo talvez seja que o candidato deseje ficar mais próximo de casa. "Em Belo Horizonte houve uma coincidência com as provas da UFMG, que terminava às 13 horas, e a nossa começava às 14 horas". Para ele, a abstenção não é relevante e significa uma flutuação natural.Tessler disse que não houve surpresas nas provas. "Ênfase nas respostas claras dentro do perfil do aluno da Unicamp: estilo crítico e raciocínio rápido." Ele diz também que as provas de língua portuguesa e literatura seguiram a tradição. Tiveram citações e quatro questões sobre leitura dos livros obrigatórios. Em ciências biológicas houve reprodução de gráficos interpretativos sobre meio ambiente. A segunda fase é importante para conhecer e ver como reage o candidato".Helena Suguita, 20 anos, de Campinas, está esperançosa com as provas e torce por uma vaga em Biologia, no curso noturno. ?Minha dificuldade sempre foi o inglês?, disse a caloura, que tenta pelo segundo ano consecutivo a Unicamp. Já Carlos Antonio Silveira Júnior, de Poços de Caldas, Minas Gerais, presta pela primeira vez. "Estou mais ou menos preparado e muito sossegado", comenta ele, dizendo que se passar vai morar com uma tia em Campinas. Os amigos Fernando Costa, de 21 anos, e Wilson Prates, de 26, tentam Mecânica da Computação. Wilson queria Engenharia da Computação. "Já tentei três vezes e não deu, então desisti." Ambos vieram de escolas públicas e já ingressaram em outras faculdades. "Precisa haver muita base, coisa que não temos em escolas públicas, por isso fizemos cursinho", disse Fernando."O mais difícil foi biologia, que exigiu mais conhecmento da atualidade do que o cientifíco", argumentou a candidata à carreira de Estatística, Sandra Elizabeth Paiva da Silva, de 18 anos, de Santa Bárbara D?Oeste. A candidata a Saneamento Ambiental, Rosana Gois, 30 anos, achou que "pegaram pesado desta vez". Para ela deveria haver uma simplificação da prova, com menos dissertação nas questões do exame. Ela já entrou em outras faculdades mas tenta a Unicamp pela primeira vez devido a estrutura da instituição.Acompenhe a cobertura e a correção da segunda fase da Unicamp

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.