RENATO CÉSAR PEREIRA/FUTURA PRESS
RENATO CÉSAR PEREIRA/FUTURA PRESS

Unicamp congela mais R$ 22 mi em gastos

Corte atinge obras e tecnologia da informação; mesmo assim, déficit do ano deve chegar a R$ 91,7 milhões, 160% maior do que em 2014

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

12 Setembro 2015 | 03h00

SÃO PAULO - Em crise, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) fez novo corte de gastos para equilibrar as contas. A reitoria congelou R$ 22,1 milhões previstos para obras e tecnologia da informação neste ano. Também reduziu em 20% as cópias e impressões, para economizar R$ 490 mil. Mesmo assim, a Unicamp revisou a estimativa de déficit em 2015 para R$ 91,7 milhões – 160% maior do que o saldo negativo de 2014. 

As novas medidas anticrise constam em resolução da reitoria de julho. O corte se soma ao pacote de contenções de fevereiro, quando congelou parte das contratações de técnicos e reduziu o número de horas extras autorizadas. Isso rendeu economia de R$ 41,2 milhões.

Segundo a reitoria, “demais medidas dependerão do volume de receitas do Tesouro do Estado” no segundo semestre. A arrecadação paulista do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) recuou 3,25% entre janeiro e julho, comparado ao mesmo período de 2014, em valores corrigidos pela inflação. A principal fonte de receita da Unicamp é uma parcela de 2,2% do tributo.

Do Estado, a Unicamp deve receber R$ 2,044 bilhões neste ano. Para cobrir gastos extras, planeja usar R$ 147,3 milhões de receita própria até dezembro. 

Apesar disso, a Unicamp diz que, no fim do ano, a despesa com salários não será maior do que o repasse. O comprometimento, calcula, será de 94% – o máximo ideal é de 85%. Já a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp), também em crise, estimam usar mais de 100% do repasse com a folha em 2015. 

Reflexos. João Raimundo de Souza, do sindicato dos funcionários da Unicamp, diz que é preciso reduzir gastos, mas preservar as condições de trabalho. “Ao limitar as contratações, a sobrecarga é inevitável.” A reitoria informou que está com suas atividades normais. 

A Unicamp também voltou a cobrar do governo estadual um acréscimo de 0,05% na sua parcela de ICMS, promessa feita em 2005 como contrapartida à criação do câmpus de Limeira, inaugurado há seis anos. A reitoria tentou incluir essa cota, em caráter emergencial, nos orçamentos deste ano e de 2016. Os pedidos, informou a universidade, não tiveram sucesso. 

Mais conteúdo sobre:
Unicamp Campinas Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.