Divulgação – Ascom – Unicamp.
Divulgação – Ascom – Unicamp.

Unicamp batiza prédio da Faculdade de Educação com o nome de Paulo Freire

Criticado pelo governo Jair Bolsonaro, educador foi professor da universidade por dez anos

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2019 | 14h05

SÃO PAULO - A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) batizou o prédio principal da Faculdade de Educação, uma das mais conceituadas da área no País, com o nome do educador e filósofo Paulo Freire (1921-1997), que nos últimos anos vem sendo criticado por grupos conservadores e apareceu até mesmo no programa de governo de Jair Bolsonaro, que diz querer "expurgar Freire das escolas brasileiras". 

A homenagem foi uma iniciativa dos estudantes do mestrado profissional da faculdade. Eles propuseram batizar o prédio, onde Freire foi professor por dez anos (de 1981 a 1991) no Departamento de Ciências Sociais na Educação. 

Nima Spigolon, coordenadora do mestrado profissional, explicou que a nomeação seguiu todo o processo institucional, com a coleta de 800 assinaturas de docentes, estudantes e funcionários. A proposta depois foi encaminhada para aprovação na instância máxima da unidade, a congregação da faculdade. 

Críticas. Em 2012, foi concedido a Freire o título de patrono da educação brasileira. Grupos conservadores tentaram anular no congresso o título, mas a inicativa foi derrubada em 2017. 

Bolsonaro ainda durante a campanha eleitoral já criticava o educador e seu método de alfabetização. O presidente chegou até mesmo a anunciar que deseja mudar o patrono da educação brasileira

Apesar dos ataques de Bolsonaro e conservadores, o método e filosofia de Freire exercem forte influência em algumas das melhores escolas do País. Além disso, ele é o intelectual brasileiro mais reconhecido em todo o mundo. 

O principal livro de Freire, “Pedagogia do Oprimido”, está entre as cem obras mais citadas em língua inglesa, segundo o Google Scholar, ferramenta de literatura acadêmica. É o único brasileiro nessa lista. Na área de educação, aparece como o segundo com o maior volume de citações científicas (72,4 mil).





 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.