Leo Martins/Estadão
Leo Martins/Estadão

Unicamp abre vaga para medalhistas; USP e Unesp também estudam medida

Estadual de Campinas terá 90 lugares para vencedores em competições ligadas a áreas como Matemática, Física e Robótica; o objetivo é atrair os melhores estudantes. Outras instituições paulistas avaliam mudança nas próximas edições

Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2018 | 03h00

As medalhas de Felipe Bagni, de 17 anos, têm um peso que, até então, nem ele media. Pela primeira vez, poderão valer uma vaga em um curso de graduação na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Colega de Felipe, Gustavo Martins, de 14, também acumula prêmios. O aluno do 1.º ano do ensino médio não vai tentar vestibular agora, mas poderá ter ainda mais opções quando chegar a sua vez de se candidatar a uma universidade pública.

Seguindo o exemplo da Unicamp, a Universidade de São Paulo (USP) e a Estadual Paulista (Unesp) pretendem abrir vagas “olímpicas” – aquelas destinadas a alunos com medalhas em competições científicas como as de Matemática, Física e Química – nos próximos anos. A nova modalidade de seleção faz parte de uma tendência de diversificar formas de ingresso nas instituições paulistas. 

“Para um estudante que passou bom tempo se dedicando, é um ótimo jeito de a universidade reconhecer”, diz Felipe, estudante do 3.º ano do Colégio Objetivo Integrado. Empolgado com torneios práticos, ele tentará uma vaga em Engenharia da Computação na Unicamp com os prêmios que conquistou em competições de Robótica, Física e Informática. “Eu me apaixonei pela Robótica. Tem o trabalho em equipe, de botar a mão na massa”, diz Felipe, que teve até de aprender a ler partituras para criar um robô tecladista. 

A Unicamp destinou 90 vagas (parte delas extras) em 26 cursos para ingresso exclusivo de alunos medalhistas – as inscrições começaram em novembro. Estudantes que optarem pelas vagas olímpicas na Unicamp não precisarão fazer os testes tradicionais – basta apresentar os prêmios e o histórico escolar. Se quiserem, também podem concorrer na modalidade convencional separadamente. Neste ano, 18 olimpíadas serão consideradas nessa modalidade. Quanto mais dourada a medalha, maior a pontuação. E prêmios em torneios internacionais aumentam a chance. 

Por enquanto, competições na área de Humanas, como as de História e Geografia, não estão valendo para este vestibular. Mas, segundo o professor José Alves de Freitas Neto, coordenador executivo da Comvest, que organiza o vestibular da Unicamp, poderão ser incluídas nas próximas edições. “Os cursos de graduação têm autonomia para aderirem ou não ao sistema de vagas olímpicas, desde que cumpram alguns requisitos básicos (como caráter nacional e existência da competição há mais de 5 anos)”, diz Freitas Neto. “Seria desejável que outras áreas adotassem o modelo.” 

 

Cérebros

A ideia da mudança é “atrair os melhores estudantes” para a Unicamp, diz o professor. É comum que alunos olímpicos, principalmente aqueles com premiações em torneios internacionais, deixem o País. No exterior, universidades de ponta avaliam todo o histórico dos candidatos – e o engajamento nesse tipo de atividade aumenta o crédito nas seleções. 

“Se eles não têm oportunidade no próprio país, procuram onde oferece. São estudantes especiais”, diz o pró-reitor de Graduação da USP, Edmund Baracat. A universidade, que ocupa o topo de rankings de desempenho no País, estuda a adoção desse novo modelo de ingresso para o próximo vestibular – com entrada em 2020. As discussões, diz, estão sendo feitas em cada uma das unidades e ainda não há definição sobre o número de vagas olímpicas. 

Para Gladis Massini-Cagliari, pró-reitora de Graduação da Unesp, diversificar as formas de ingresso é um jeito de atender a dois tipos de expectativas. “As universidades públicas têm de conciliar a demanda pelo mérito, de selecionar os melhores, com a do compromisso social.” Para as vagas olímpicas, a Unesp estuda atribuir pontuação às medalhas e agregar outro critério para desempate – a nota no Enem pode ser um deles. 

Um dos cuidados necessários, diz Gladis, é garantir que a proporção geral de ingressantes de escolas públicas seja mantida. Há ainda o desafio de garantir a segurança das competições. “A olimpíada é muito barata, custa R$ 2 por aluno, e não tem mecanismos bem desenvolvidos para evitar vazamentos”, diz Claudio Landim, coordenador-geral da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), organizada pelo Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa). 

Especialista em ensino superior, Elizabeth Balbachevsky aprova as mudanças. "O ensino secundário é montado dentro da estratégia de preparar para responder a um teste, como se isso desenvolvesse qualidades e competências para os jovens enfrentarem o mercado de trabalho”, critica. Ela vê necessidade de que avaliações considerem todo o percurso escolar. “Nem sempre o aluno muito bem treinado para a maratona do Enem é o que se sai melhor na graduação.”

Engenheiro químico formado na Espanha, William Teixeira, de 24 anos, não teve a chance de usar suas medalhas de Matemática, Química e Astronomia para entrar na faculdade. Ele prestou o Enem, passou em uma federal brasileira, mas acabou indo para a Europa. “As olimpíadas avaliam outras áreas que o vestibular não consegue. As fórmulas que eu tinha de saber eram mínimas, exigia mais capacidade de pensar.”

Americanas consideram os prêmios dos alunos

Destino de muitos medalhistas de olimpíadas científicas, universidades americanas de ponta como Yale, Harvard e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) incluem em seus processos seletivos uma análise sobre toda a trajetória dos estudantes que pretendem fazer uma graduação nas instituições. A participação nessas competições não é o único critério, mas conta. “O processo lá fora é bem mais holístico”, explica Juliana Kagami, da Fundação Estudar. 

A organização oferece consultoria a alunos interessados em fazer cursos fora do Brasil. Os estudantes, diz Juliana, são orientados a incluir nos formulários de aplicação informações sobre as competições científicas de que participaram. 

Não quer dizer, porém, que o resultado em exames mais tradicionais, como o SAT, a versão americana do Enem, perdeu valor. “As notas contam muito ponto. Mas elas não são tão importantes, se o aluno realizou algo de extraordinário na sua vida”, diz Andrea Tissenbaum, especialista em educação internacional e autora do Blog da Tissen, no site do Estado.

Vinicius Armelin, de 17 anos, conta com isso para conseguir um espaço. Em julho, ele foi o primeiro brasileiro a conquistar uma medalha de ouro na Olimpíada Internacional de Química, disputada na Eslováquia e na República Tcheca. “Pretendo estudar fora, minha ideia é aplicar para os Estados Unidos. E, no momento, estou pensando em Stanford”, diz o aluno do Colégio Etapa.

Competição é caminho para bolsa e estágio

Gustavo Martins, de 14 anos, tirou os pés do Brasil pela primeira vez em dezembro – e não foi para uma viagem de fim de ano com a família. O adolescente foi para Botsuana, no sul da África, para representar o País em uma olimpíada de Ciências. “É uma experiência que não sei nem descrever. Foi tudo pago. Além disso, foi algo por mérito meu”, comemora. 

Além das chances no vestibular, premiações em torneios científicos abrem outras portas, como a possibilidade de financiamento dos estudos, participação em laboratórios de pesquisa e até de estudar fora. Gustavo, por exemplo, concorreu a uma bolsa no Colégio Objetivo Integrado pelo Ismart, instituto que seleciona talentos. “Candidatos participantes de olimpíadas de Matemática, especialmente a Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), se destacam no processo seletivo para bolsas de estudos”, diz Fabiane Pinto, coordenadora de Seleção do Ismart.

Já Renan Proença, de 17 anos, não só mudou de escola como de Estado – foi do interior de São Paulo ao Ceará para estudar em um colégio particular de ponta em Fortaleza, com bolsa integral, por causa do desempenho nas competições. “Fazia mais por diversão, não conhecia as premiações.” Hoje, é um divulgador. De memes dos torneios, passou a publicar em um site editais e materiais para estudo. “Muitas escolas não conhecem as olimpíadas e, depois que conhecem, têm dificuldades de achar informações”, diz ele, que sonha com uma vaga no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). 

 

Imersão

Já para estudantes que se destacam na Olimpíada Brasileira de Biologia (OBB), há a chance de passar uma semana imerso em atividades de laboratório, como sequenciamento de DNA, sob orientação de cientistas do Instituto Butantã, em São Paulo, que organiza a competição. “São práticas que nós pesquisadores usamos no nosso cotidiano. Montamos todo um cenário investigativo, tipo CSI”, explica Sonia Aparecida de Andrade, coordenadora da OBB. Os alunos, diz Sonia, colocam essa experiência no currículo e ganham clareza sobre o trabalho dos cientistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.