UNE pedirá a Lula auxílio para aluno de universidade particular

Entidade deve aproveitar a audiência com o presidente para criticar projeto que restringe meia-entrada

Carolina Freitas, da Agência Estado,

13 de janeiro de 2009 | 11h49

A União Nacional dos Estudantes (UNE) vai propor ao presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, a criação de um plano nacional de assistência a alunos de baixa renda que estudem em universidades particulares. "Queremos que o governo garanta, além do acesso, a permanência dos jovens na universidade privada", afirmou à Agência Estado a presidente da UNE, Lúcia Stumpf. Ela se reúne com Lula em Brasília nesta quarta-feira, 14, às 16 horas. A intenção é somar o auxílio a iniciativas como o Programa Universidade para Todos (ProUni), que concede bolsas de estudos a alunos carentes. "Não basta pagar a mensalidade, pois muitas vezes o estudante não tem condições de cobrir gastos com transporte e alimentação", argumenta Lúcia. Os recursos para o projeto estariam desvinculados da verba já reservada à assistência a alunos das universidades públicas. "Não podemos tirar do ensino público o pouco que recebe", diz a presidente da UNE. Lúcia espera que até março do próximo ano os alunos de faculdades privadas já sejam atendidos por essa nova política assistencial. Meia-entrada A representante da UNE vai aproveitar a audiência com o presidente para criticar o projeto de lei, aprovado no Senado, que limita a concessão de meia-entrada para estudantes em eventos culturais e esportivos. A proposta é que no máximo 40% dos ingressos de um espetáculo sejam vendidos por metade do preço. "Vamos tentar convencer Lula de que as cotas (de meia-entrada) só retiram direitos", diz Lúcia. "É preciso que o Executivo construa uma opinião sobre o assunto." Apesar de ser contra a criação desta cota, a UNE concorda em limitar a meia-entrada apenas a alunos do ensino formal, como prevê o projeto de lei. Assim, quem faz curso pré-vestibular ou de idioma, por exemplo, ficaria sem o benefício. "Eles aproveitaram um vácuo na legislação para ter desconto, mas nunca tiveram esse direito assegurado", explica Lúcia. O PL 188 de 2007, do senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), foi aprovado em dezembro passado na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado e agora passa por avaliação na Câmara dos Deputados. De lá, se não houver modificação, o texto segue para sanção ou veto do presidente Lula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.