UNE cobra de Dilma mais recursos para a educação

Entidade, ao lado da Ubes, quer aumentar de 7% para 10% do PIB investimento no setor

Agência Brasil

24 Março 2011 | 17h05

Ao receber nesta quinta-feira representantes da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), a presidente Dilma Rousseff manifestou simpatia pelas reivindicação dos estudantes. As entidades defendem mais investimentos na educação e a mudança de alguns pontos do Plano Nacional de Desenvolvimento da Educação (PNDE).

 

No entanto, Dilma ressaltou que as mudanças no PNDE devem ser debatidas no Congresso Nacional.

O plano prevê o investimento de 7% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação até 2020.

Os estudantes querem que esse percentual seja de 10%, conforme deliberado na Conferência Nacional de Educação.

 

Outro ponto defendido pelas lideranças estudantis foi a ampliação para 50% do percentual do Fundo Social do Pré-Sal que será destinado à educação.

 

“Ela (Dilma) não se comprometeu diretamente (com as reivindicações), mas se mostrou favorável à ideia de aprovar o padrão de financiamento”, disse o presidente da UNE, Augusto Chagas.

 

“Saímos confiantes em relação ao pré-sal. Se conquistarmos isso no Congresso Nacional, acreditamos que ela não vetará”, acrescentou.

 

“Vamos continuar a mobilização e fazer passeatas até o Congresso Nacional aprovar um plano nacional que contenha as reivindicações do movimento estudantil. Caso contrário, apenas em 2020 voltaremos a essa discussão sobre investimentos. E a qualidade da educação está diretamente ligada aos investimentos”, argumentou o presidente da Ubes, Yann Evanovick.

Mais conteúdo sobre:
UNE Ubes Dilma PNE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.