UnB e UFSC adiam vestibular, UFJF não decidiu

Na federal de Lavras, em Minas Gerais, nova data do Enem pode provocar o adiamento das aulas

Elida Oliveira, Especial para O Estado

07 Outubro 2009 | 11h45

Das quatro universidades que teriam datas de vestibulares coincidentes com o novo dia do Enem - 5 e 6 de dezembro -, a Universidade de Brasília (UnB) e a federal de Santa Catarina (UFSC) decidiu adiar o vestibular. Na federal de Lavras, o Enem é a prova da última etapa do programa de avaliação seriada. A nova data não impede que o exame continue sendo aplicado. No entanto, a universidade cogita adiar o início das aulas.  Na UnB, os estudantes concluiríam a última etapa do programa de avaliação seriada também em 6 de dezembro - data que coincide com o segundo dia de provas do Enem. A universidade optou por adiar em uma semana o exame. Agora, alunos do primeiro e segundo ano fazem a avaliação no dia 12 e os estudantes do terceiro ano, no dia 13. "O adiamento não representa nenhum prejuízo financeiro ou pedagógico nem para a instituição, nem para o calendário escolar. Nosso cronograma é feito com três meses de antecedência e temos uma boa folga para acomodar as novas datas", diz Luiz Gonzaga Motta, secretário de comunicação da UnB. O início das aulas continua sendo em 10 de março. Embora nas universidades federais de Juiz de Fora (UFJF) e  de Santa Catarina (UFSC), a definição sobre o adiamento seja tomada apenas após reunião dos colegiados, a UFSC sinaliza que mudará a data do vestibular. Em Santa Catarina, o processo seletivo acontece em fase única de três dias: 6, 7 e 8 de dezembro. A proposta é de que a prova seja transferida para os dias 19, 20 e 21 de dezembro. Em Juiz de Fora, o processo seletivo aconteceria nos dias 5 e 6, com segunda fase em 21 e 22 de dezembro. Pelo regulamento, os alunos podem usar a nota do Enem caso ela seja superior à da primeira fase, o que torna a prova da UFJF obrigatória. A universidade estuda a possibilidade de adiar a primeira fase do exame, o que implicaria em adiar, também, a segunda fase para janeiro e postergar o início das aulas. Na Federal de Lavras, Ufla, o sistema de avaliação seriada usa a nota do Enem como substituta do exame próprio. A confirmação da nova data do Enem, no entanto, pode provocar o adiamento das aulas. "Nós nos preocupamos com a entrega das notas", disse o pró-reitor de graduação da Ufla, João Chrysóstomo de Resende Júnior.  De acordo com o pró-reitor, o clima entre os estudantes de Juiz de Fora é de "confusão". "Nós mudamos nosso processo seletivo neste ano, diminuindo o número de dias de provas nas duas fases e incorporando o Enem. Isso já foi um estresse para os alunos. Agora, com a denúncia de fraude, eles ficam ainda mais agitados", falou. Apesar dos transtornos, Chrysóstomo disse que a universidade não se arrependeu de aderir ao Enem. "Pela filosofia da prova e pelo avanço que representa, ainda não nos arrependemos", disse. *Atualizado às 18h47 de 7 de outubro de 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.