UFRJ terá reserva de vagas para estudantes estaduais

No segundo e último dia de provas do Vestibular 2007 da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o reitor Aloísio Teixeira prometeu neste domingo empenho para aprovar já para o próximo ano uma reserva de 5% a 10% das vagas para estudantes oriundos da rede pública estadual. Depois de visitar salas de aula onde ontem se realizavam as provas do segundo e último dia de provas do Vestibular 2007, o professor, que sempre se manifestou contra a criação de cotas raciais nas universidades, classificou de "muito cruel" o atual sistema de ingresso na instituição."Os alunos de baixa renda nem tentam esse vestibular. Não se pode comparar alunos que estudam até sem professor de matemática com outros, que viajam todo ano para o exterior", disse Teixeira na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), onde se concentrava o maior número de vestibulandos.Teixeira condena as cotas por entender que o motivo da exclusão dos mais pobres das universidades públicas é a desigualdade de renda, não de cor. Ele acredita que o Conselho Universitário da UFRJ pode aprovar a reserva de vagas já para o próximo concurso. Algumas faculdades, como a de Medicina, são contra a medida, proposta pelo Plano de Desenvolvimento Institucional, que prevê uma política universitária para os próximos cinco anos. O índice de faltas do exame neste ano foi avaliado pelos organizadores como baixo. Apenas 6.065, menos de 15%, dos estudantes deixaram de comparecer a uma das etapas. Foram 48.856 candidatos inscritos, dos quais 42.791 ainda na disputa por uma das 6.625 vagas. O vestibular da UFRJ é considerado um dos mais dificeis, não apenas por causa da relação candidato-vaga ser uma das mais altas, mas também porque todas as provas são discursivas. Ontem, os alunos responderam a questões sobre as disciplinas específicas de cada curso. Nesta manhã, os portões foram fechados pontualmente às 9h, e os poucos alunos que chegaram atrasados não puderam entrar.

Agencia Estado,

26 de novembro de 2006 | 16h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.