UFRJ monta grupo de estudo para mudar vestibular

O reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Aloísio Teixeira, quer criar um novo sistema de ingresso na instituição que seja mais democrático e que sirva de modelo a todo País. Contrário ao vestibular e à reserva de vagas praticada pelas universidades do Estado do Rio, ele defende que o desempenho dos estudantes seja acompanhado durante o ensino médio.Teixeira montou grupos de estudo formados por professores com o objetivo de chegar ao melhor modo de inclusão dos alunos da rede pública no ensino superior, possivelmente até o processo seletivo do ano que vem. O reitor já se reuniu com os reitores das outras quatro unidades federais no Rio (UFF, UFRRJ, Uni-Rio e Cefet) para discutir a questão.Sem cotas"O vestibular é profundamente discriminatório e não se baseia no princípio da universalização do ensino superior. Também não gosto da expressão ´cotas´ porque leva a um entendimento errado. O que queremos é criar um outro mecanismo de acesso, oferecer um novo caminho, mas nada será feito às pressas", disse.A idéia é implantar um projeto-piloto que não só inspire uma mudança no sistema em vigor na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) - que, por lei, reservam vagas para negros (20%), alunos de escolas públicas (20%) e deficientes e minorias étnicas (5%) - mas também sirva de exemplo para instituições em outros Estados.Avaliação de alunosOs grupos de trabalho montados na UFRJ vão avaliar os resultados dos alunos oriundos da rede pública que já estudam na universidade e compará-lo aos apresentados por aqueles vindos de escolas particulares, a fim de descobrir se há diferenças entre eles.Atualmente, do total de 34 mil universitários, um terço se encontra no primeiro grupo e dois terços, no segundo.CandidatosA UFRJ anunciou os números do vestibular desse ano. A quantidade de candidatos, que foi de 46 mil no ano passado, subiu para 53,2 mil. A oferta de vagas também subiu: de 6.193 para 6.353.Os cursos mais concorridos são Medicina (com relação candidato/vaga de 33,31), Engenharia de Petróleo (21,8) e Comunicação Social (20,42). As provas são nos dias 16 de novembro, 7 e 21 de dezembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.