UFRJ avalia adoção de sistema de cotas no vestibular

Se decisão for tomada até julho, universidade poderá aplicar o sistema no vestibular 2011

Agência Brasil

12 de maio de 2010 | 13h48

RIO - A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) deve sinalizar no final de maio um posicionamento sobre a adoção do sistema de cotas no vestibular. A previsão foi anunciada nesta terça-feira, 11, pelo reitor da UFRJ, Aloísio Teixeira.

 

Veja também:

linkRaça não é fator para concessão de cotas, afirmam especialistas

 

Teixeira, que preside o conselho universitário, disse que se a decisão for tomada até o início do mês de julho, a UFRJ poderá aplicar o sistema das cotas já no vestibular de 2011. O reitor garante que não vai interferir na decisão, mas afirmou que é contrário à mudança dos critérios, defendendo que o problema da universidade brasileira não é abrir espaços para minoria, mas abrir espaço para a maioria.

 

"Hoje, (no Brasil) 13% dos jovens, entre 18 e 24 anos, cursam instituições de ensino superior. Esse número é ridículo. A média da América Latina é de 32%. Estamos abaixo da média da América Latina. Países da Europa e os Estados Unidos (a média) é de 60 a 70% dos jovens. O problema da universidade brasileira é ter capacidade de receber a juventude. A discussão de cotas teve uma importância imensa porque ela recolocou na ordem do dia a questão sobre a redemocratização do acesso. Mas, no caso brasileiro, ela acaba criando uma ilusão que vamos resolver por esse caminho", disse Aloísio Teixeira.

 

O reitor defendeu o que define como "uma revolução na educação superior brasileira". Segundo ele, só depois que as universidades criarem condições para que a maioria dos jovens tenha acesso ao ensino superior é que a discussão de cotas passa a fazer sentido.

 

"O que eu não gostaria é que o conselho não aprovasse as cotas por uma visão conservadora, de ser contra a democratização de acesso. Não aprovar as cotas implica uma posição ativa da nossa parte para ter propostas de ampliação do número de vagas na universidade e não deixar tudo como está", alertou Teixeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.