UFABC/Divulgação
UFABC/Divulgação

UFABC apura pichações de teor homofóbico

Em resposta, faixas e cartazes contra a discriminação foram colocados no câmpus em São Bernardo do Campo, na Grande SP

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

01 Julho 2015 | 03h00

SÃO PAULO - Frases com conteúdo homofóbico foram pichadas em um prédio da Universidade Federal do ABC (UFABC), em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, após um grupo de alunos se reunir para discutir temas como identidade de gênero e homofobia.

As pichações - com frases como “viado tem de morrer” e “vai ter homofobia sim” - foram feitas na semana passada, após o grupo Prisma, formado por alunos da UFABC, criar eventos para fomentar o respeito à igualdade. “A universidade passou a reconhecer nosso grupo, dando autonomia e espaço para promover eventos. Foi então que surgiram as ameaças”, disse um dos integrantes, que pediu para não ser identificado.

Segundo estudantes, o câmpus de São Bernardo do Campo não tem histórico de violência contra homossexuais. “Imagino que seja um caso isolado, de uma pessoa que não tenha se identificado com a universidade, porque aqui há muito respeito”, disse o estudante Richard Matsuo, de 18 anos.

Em resposta às pichações, faixas e cartazes contra homofobia foram colocados no câmpus. “Aqui sempre me senti seguro e sabia que a diversidade era respeitada. Isso não pode mudar”, disse o aluno André Luís Concentino, de 19 anos.

Em nota, a UFABC disse que repudia qualquer manifestação de preconceito e intolerância e vai apurar o ocorrido para responsabilizar os autores.

“A universidade trabalha para formar não só exímios profissionais, como também seres humanos dotados de grande capacidade para viver em sociedade”, informou.

Mais conteúdo sobre:
UFABChomofobia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.