Uerj suspende atividades por medo de protestos violentos

Estudantes organizavam atos pelas redes sociais; instituição vive crise financeira desde o começo do ano

Danielle Villela, O Estado de S. Paulo

22 Maio 2015 | 11h58

RIO - O reitor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Ricardo Vieiralves, suspendeu todas as atividades da instituição nessa sexta-feira, 22, por medo de protestos violentos organizados por “coletivos” através das redes sociais. Segundo o reitor, os grupos pretendiam promover atos de violência contra o patrimônio e a integridade física dos servidores da Uerj e de membros do Conselho Universitário.

“A expectativa da ‘sexta-feira da violência’ é grave e preocupante. Todas as medidas administrativas serão tomadas, se forem necessárias. Todas as medidas para impedir a instalação de estado de terror em nossa Universidade também”, disse Vieiralves, em nota divulgada no site da Uerj.

O evento “Ocupa CONSUN” havia sido convocado pelo Centro Acadêmico de Ciências Sociais, com apoio do Movimento Universidade Necessária, Coletivo Filhxs da Pública e do Centro Acadêmico do Instituto de Artes. Em nota divulgada na quinta-feira, 21, pelo Facebook, os grupos afirmam que o ato “em nenhum momento faz qualquer tipo de ameaça a integridade física dos conselheiros ou ao patrimônio da Uerj”.

“Desde o Ato do dia 13 de maio, o Reitor busca criminalizar o Movimento Estudantil nos acusando de vandalismo, anti democráticos (sic) e de destruidores do patrimônio público, além de nos acusar de supostamente termos ameaçado fisicamente os membros do Conselho Universitário”. A nota defende que o ato tinha o objetivo de exigir que o reitor Ricardo Vieiralves incluísse na pauta do Conselho Universitário a discussão sobre a crise financeira na instituição e o atraso nos pagamentos aos funcionários terceirizados.

Na tarde dessa quinta-feira, 21, um protesto organizado por estudantes e pela Associação de Docentes da Uerj (Asduerj) chegou a interditar o trânsito na Rua Pinheiro Machado, em Laranjeiras (zona sul). Os manifestantes partiram do Largo do Machado em direção ao Palácio Guanabara, sede do governo do Estado, reivindicando a regularização do pagamento dos terceirizados e bolsistas e a recuperação dos salários dos professores e técnico-administrativos, entre outros pontos. Não houve, porém, incidentes.

Na noite do último dia 13, outro grupo de manifestantes tentou invadir a reitoria da instituição, depredou suas dependências e agrediu funcionários, após um protesto na frente da Uerj, no Maracanã, na zona norte. Cinco servidores foram agredidos e tiveram de ser atendidos no Hospital Universitário Pedro Ernesto, segundo a Uerj.

O episódio foi registrado na 18º DP (Praça da Bandeira) e também será investigado por meio de um procedimento administrativo. “Não podemos permitir que atos com os da quarta-feira, 13 de maio, se repitam. Não podemos permitir que a nossa Instituição seja depredada e destruída”, diz a nota do reitor divulgada nesta sexta.

Crise. Desde o início do ano, a Uerj enfrenta uma crise financeira, refletida no atraso nos pagamentos dos funcionários terceirizados. Serviços de limpeza e manutenção chegaram a ser suspensos por 15 dias neste mês de maio, gerando acúmulo de lixo e sujeira nos corredores e banheiros do campus do Maracanã, na zona norte do Rio.

“É preciso esclarecer que não é a Uerj a responsável por este pagamento, mas a Secretaria de Estado de Fazenda. É preciso dizer que: não há, no momento, mais nenhum trabalhador desses serviços com salários atrasados em nossa instituição”, diz o reitor.

 

Mais conteúdo sobre:
riouerj

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.