UEL vai avaliar excessos cometidos no trote da universidade

Processos administrativos disciplinares devem ser instaurados e podem resultar até em expulsão

Evandro Fadel, de O Estado de S. Paulo,

02 de março de 2009 | 17h53

A Universidade Estadual de Londrina (UEL), no norte do Paraná, vai analisar possíveis excessos na prática de trote, que teriam sido observados, na manhã desta segunda-feira, 2, nos cursos de agronomia, direito, veterinária e psicologia, segundo informações que chegaram à chefia de Divisão de Políticas de Graduação. Processos administrativos disciplinares devem ser instaurados, provavelmente na terça-feira, 3, e podem resultar até em expulsão. A UEL iniciou nesta segunda-feira, 2, o ano letivo para cerca de 16 mil alunos, dos quais 3 mil são calouros. Veja também: Enquete: você considera essa lei necessária? Conte a sua história de trote Você tem imagens de trote? Envie ao Foto RepórterUniversidades são contrárias à responsabilizaçãoCâmara aprova projeto de lei contra o trote universitárioPesquisador diz que prática é medieval A situação mais constrangedora documentada por cinegrafistas aconteceu no curso de agronomia. Com o objetivo de fugir das câmeras do circuito interno, estudantes veteranos optaram por levar os calouros a uma estrada de terra fora da universidade. Ali, os novatos foram obrigados a se deitar no chão, muitos sem camisa, formando uma espécie de passarela. Os colegas não hesitaram em pisar sobre seus corpos. O chefe da Divisão de Políticas de Graduação, Everson Antonio Moro Cazarim, disse que, para esse caso específico, serão requisitadas as imagens feitas por canais de televisão, além de se contar com a ajuda dos professores do curso na identificação. Nos outros cursos em que os trotes tiveram a conotação negativa foram feitas algumas fotos que servirão como prova nos processos administrativos. Nesses casos os calouros foram submetidos à sujeira causada por tintas, ovos e lama. Segundo Cazarim, alguns estudantes de psicologia foram flagrados ingerindo bebidas alcoólicas. Como o trote se dava dentro do campus, onde é proibido o consumo de álcool, será instaurado um processo específico para essa infração. Cazarim ressaltou, no entanto, que a maioria dos cursos optou por ações culturais e de ajuda solidária.  Na Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, há uma programação a ser cumprida durante toda a semana para recepcionar os novos alunos. De acordo com a reitoria, além de palestras, um dos pontos altos é o trote solidário com atividades sociais, entre elas a pintura de escolas públicas e recolhimento de doações para entidades beneficentes. A pró-reitora de Assuntos Estudantis, Rita de Cássia Lopes, acentuou que qualquer manifestação que possa ocasionar constrangimento ou transtorno físico e/ou moral está proibida, podendo ser punida até com a expulsão.

Tudo o que sabemos sobre:
troteUEL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.