Nilton Fukuda/Estdão
Nilton Fukuda/Estdão

Três livros que ajudam a gostar de matemática

'O Homem que Calculava' e outros dois lançamentos, em inglês, para fazer contas de um jeito menos ortodoxo

O Estado de S. Paulo

27 Maio 2015 | 18h56

O blog da revista Scientific American publicou na semana passada a resenha de dois livros de matemática e comida. São lançamentos de primavera no hemisfério norte e não há notícias de que serão traduzidos para o português - mas estão disponíveis em inglês, o que pode surgir como oportunidade para exercitar também o idioma, nas contas e na cozinha.  Em comum com o clássico infanto-juvenil brasileiro O Homem que Calculava, que não é um livro de comida, mas de histórias, How to Bake a Pi e The Proof and the Pudding são produtos que aproximam o leitor da matemática de forma lúdica e sensorial.   

Veja mais informações sobre cada um deles, todos disponíveis em e-book.

O Homem que Calculava (Ed. Record)

Malba Tahan

Malba Tahan, pseudônimo do professor de Matemática Júlio César de Mello e Souza, escreveu esse clássico da literatura infanto-juvenil que já passou da 70ª edição. Ele usa a narrativa do romance e da aventura para contar a história persa Beremiz Samir, um homem dotado de extraordinária habilidade com os números e que usava a matemática, sem fórmulas mirabolantes, para solucionar problemas aparentemente impossíveis de resolver, como descobrir a cor dos olhos de um grupo de mulheres, sem vê-los, apenas ouvindo o que elas têm a dizer.  

How to Bake Pi

Eugenia Cheng

Professora de matemática nas universidades de Sheffield e de Chicago, Eugenia Cheng preenche seu livro com analogias entre matemática e receitas criativas a fim de desmitificar o bicho de sete cabeças. Ela escreve: "É uma verdade universalmente reconhecida que a matemática é difícil. Ou pelo menos assim parece, com base no número de vezes em que ao contar que sou matemática eu ouço: "Uau, você deve ser muito inteligente." Este é um dos grandes mitos da matemática. (...) Em primeiro lugar, é melhor eu deixar claro o que quero dizer com "fácil". Alguma coisa é fácil, se é atingível por processos de pensamento lógico. Ou seja, sem ter que recorrer à imaginação, conjecturas, sorte, intuição, interpretação complicada, chantagem, drogas, violência, e assim por diante."

The Proof and the Pudding

Jim Henle

Na cozinha de Jim Henle, professor no Smith College, cozinheiros e matemáticos se divertem. Seu conselho para quem vai cozinhar ou calcular e não tem ideia de como começar é o mesmo: simplesmente tente alguma coisa. Por meio de quebra-cabeças e exercícios associativos, Henle diz que o objetivo do livro é explorar a gastronomia e a matemática e mostrar como elas são pareceidas. "Matemáticos e cozinheiros têm sonhos, medos e segredos parecidos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.