Três empregos para manter a renda

Há muito tempo o professor de física Walter Weiss, de 57 anos, não sabe o que é descansar num fim de semana. Dando aulas em três escolas, ele é obrigado a dedicar os sábados e domingos para corrigir provas e preparar aulas. ?Dando 51 horas-aula por semana, mais quatro de laboratório, não sobra tempo para quase nada?, diz. ?Nem para a família. Mas é o único jeito de manter um nível médio de vida.?Weiss não é exceção. O relatório Estatísticas dos Professores no Brasil, produzido pelo Ministério da Educação (MEC), mostra que grande parte desses profissionais enfrenta jornadas duplas ou triplas, turmas grandes demais e baixos salários.Não é à toa que muitos têm mais de um emprego, como Weiss, que dá aulas em uma escola estadual e duas particulares. ?Somado o que ganho nos três colégios, mais uma aposentadoria, recebo cerca de R$ 3.900 por mês?, revela. ?Não é muito pelo que faço.?Salário médioCom tanta dedicação, seu salário está bem acima da média nacional do ensino médio: R$ 866,23, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2001, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a Pnad, um docente de ensino médio ganha, na média nacional, menos do que um suboficial das Forças Armadas (R$ 868), mas mais do que um colega do ensino fundamental (R$ 599, de 5.ª a 8.ª série, e R$ 461, de 1.ª a 4.ª).Os baixos salários levam os professores às jornadas duplas ou triplas, com carga horária semanal acima de 30 horas ? realidade para 56% dos profissionais de matemática da 8.ª série e 58% para os de língua portuguesa do 3.º ano do ensino médio. O resultado é falta de tempo para preparar aulas e atender os alunos.Salas lotadasA rotina dos professores também é feita de salas lotadas: 72% deles têm turmas com mais de 30 estudantes no ensino médio. Some-se a isso a falta de laboratórios e bibliotecas e não será difícil entender o baixo nível de aprendizado nas escolas brasileiras, retratado no fraco desempenho em avaliações nacionais e internacionais.Em termos de infra-estrutura, o levantamento mostra uma expressiva vantagem das escolas privadas sobre as públicas. Mesmo assim, mais da metade dos professores das particulares leciona em colégios sem laboratório de ciências.O levantamento do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) reúne dados do Censo Escolar, do Censo da Educação Superior, do Sistema Nacional de Avaliação e da Pnad. O MEC deverá realizar ainda este ano o censo dos professores da educação básica.

Agencia Estado,

14 de outubro de 2003 | 22h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.