Trabalho do meteorologista tem duas frentes e muitos números

As previsões meteorológicas são divididas em duas frentes: a previsão de tempo, que faz um prognóstico a curto prazo e é voltada à defesa civil, aos transportes e à mídia, e a previsão climática, uma análise de longo prazo que prevê as tendências das estações do ano e é procurada principalmente por agricultores.Os meteorologistas têm como ferramentas os modelos numéricos (complexas equações físico-matemáticas obtidas de estações meteorológicas, formuladas e calculadas por supercomputadores) e imagens de satélites de várias partes do mundo, além de dados medidos em superfície e altitude.Leandro Della Vedova, do INMET, diz que os modelos e as imagens são obtidas gratuitamente na internet e, as diferenças e erros de previsões são ?conseqüências das análises de cada profissional e de total responsabilidade deste?, pois para todos os dados são semelhantes.ServiçosO INMET paulista (são dez unidades espalhados no País) faz previsão e monitoramento para São Paulo e para o Mato Grosso do Sul, com boletins de previsão gratuitas para quatro dias na internet, além de atendimento ao público sobre dúvidas relacionadas à meteorologia. As previsões mais requisitadas são sobre umidade, temperatura e chuva.Já no Climatempo, o trabalho maior é de análise de dados. A empresa atua na área de comunicação e tem clientes como a TV Record e o SBT e mais de 50 emissoras e rádios, como a Eldorado. Fora isso, atende empresas, indústrias e muitos agricultores, somando mais de mil clientes.Segundo Carlos Magno, da Climatempo, o usuário paga conforme o serviço. ?A consulta no site é gratuita, enquanto uma previsão detalhada, em que o meteorologista responde dados específicos, pode chegar a mil reais?, diz.  leia também  Meteorologia cresce e precisa de profissionais     No campo e na indústria, cada vez mais necessário  

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.