Terceirizados do Hospital Universitário da USP entram em greve

Segundo sindicato de trabalhadores da universidade, empresa tem pagado salários menores e 60% do valor das férias

Central de Notícias

28 Junho 2011 | 16h50

Cerca de 140 funcionários de uma empresa terceirizada que presta serviços na vigilância do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo entraram em greve às 7 horas desta terça-feira, 28.

 

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), desde dezembro de 2010 a empresa tem pagado salários menores e cerca de 60% do valor das férias. O sindicato também alega que o adicional de insalubridade não tem sido pagado há 3 anos e que o convênio médico está bloqueado, entre outras reclamações. Em nota, o sindicato destacou que os trabalhadores que se queixam da situação são ameaçados de demissão.

 

A greve foi aprovada ontem. A empresa terceirizada, representantes da administração do hospital e da reitoria da USP se comprometeram a regularizar a situação em dois dias, mas os trabalhadores vão continuar paralisados até a normalização dos pagamentos.

 

O Sintusp disse que mantém 30% dos trabalhadores de plantão, conforme exigido por lei.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.