Tentativa de ocupar escola termina em confusão na Lapa

PM foi acionada por colégio após grupo de alunos tentar trocar o cadeado do portão de entrada; aulas ocorreram normalmente

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

26 Novembro 2015 | 14h20

A tentativa de ocupar a Escola Estadual Romeu de Moraes, na Lapa, zona oeste de São Paulo, terminou em confusão entre alunos e a direção da unidade. Alguns estudantes tentaram tomar o colégio na manhã desta quinta-feira, 26, trocando o cadeado do portão que dá acesso à unidade. A direção, que já sabia do protesto, acionou a Polícia Militar e começou a ligar para os os pais dos alunos, pedindo que viessem buscá-los.

Até a manhã desta quinta, a Secretaria já confirma 174 escolas ocupadas em todo o Estado contra a reorganização da rede, que prevê o fechamento de 93 unidades e a transferência de 330 mil alunos para que as escolas sejam separadas por faixa etária (anos iniciais do ensino fundamental, do 1° ao 5° ano, anos finais, do 6° ao 9° ano e ensino médio).

A onda de ocupações, que teve início deste mês, também foi levada aos tribunais: na última semana, decisão do Tribunal de Justiça de Sâo Paulo (TJ-SP) suspendeu recurso movido pelo governo estadual que pedia a reintegração de posse das unidades ocupadas. O entendimento do desembargador Eduardo Gouvêa foi de que não há interesse dos alunos em tomar posse dos prédios, mas em discutir a reorganização. 

Por volta das 13h, a vice-diretora da unidade, que se identificou apenas como Vera à reportagem, precisou abrir um outro portão para a entrada dos estudantes do ensino fundamental, do período da tarde. "Vamos ter aula normalmente", disse ela.

O técnico de audiovisual Ronaldo Ramos de Moura, de 43 anos, estava no portão do colégio para deixar o filho de 14 anos e ficou indignado com o protesto. "É um absurdo que queiram impedir a entrada dos alunos. Se fecharem a escola, eu mesmo chamo a polícia", disse.

Ramos tem outro filho que estuda na escola estadual Manoel Ciridião Buarque, também na Lapa, e está ocupada desde o início da semana. "Meu filho não está tendo a oportunidade de finalizar os estudos. Estão fazendo protesto num momento péssimo, fim do ano, quando os alunos estão estudando para fechar o ano", disse ele.

Por volta das 13h ainda havia un pequeno grupo de estudantes que queria a ocupação do colégio. Eles prometem tentar tomar a unidade novamente nesta sexta-feira.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Polícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.