Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

‘Técnica de estudo para concurso deve ser pessoal’, diz especialista

Juiz federal e autor de livros com dicas sobre concursos

Entrevista com

William Douglas dos Santos

NANA SOARES, ESPECIAL PARA O ESTADO

29 Março 2016 | 11h19

O juiz federal William Douglas dos Santos já foi aprovado em nove concursos públicos e é autor de 15 livros com dicas para os candidatos - entre eles, Como Passar em Provas e Concursos. Segundo o juiz, não existe fórmula mágica para a aprovação. Tudo depende de disciplina e de esforço. Mas, segundo ele, o resultado costuma ser melhor quando a técnica de estudo respeita o estilo do candidato.

Quando foi a sua primeira aprovação em concurso público? Para que cargo?

Fui reprovado várias vezes. É extremamente raro alguém passar de primeira e não foi meu caso. Minha primeira aprovação foi para o Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro em 1989, mas, como já tinha chegado a um bom nível intelectual e emocional, aconteceram várias aprovações na mesma época, como o primeiro lugar no concurso para delegado de polícia e o primeiro lugar para defensor público do Rio de Janeiro. 

Como foi sua preparação?

Costumo dizer que usei todas as técnicas existentes, desde virar noites e mais noites estudando até colocar notas sobre as matérias espalhadas pela casa. Aos poucos fui descobrindo o que funcionava melhor para mim e, a cada concurso, independentemente de aprovação ou reprovação, fui aprimorando minha técnica e conquistando novos resultados. 

De onde veio a ideia de treinar outras pessoas para concursos?

Depois de várias aprovações é normal que as pessoas, especialmente iniciantes, te procurem para obter dicas e o “caminho das pedras”. Eu cheguei a receber diversas pessoas em meu gabinete. Com o passar do tempo, a ideia de formatar todo aquele conteúdo em livro foi se fortalecendo. Dessa forma poderia atender um número maior de pessoas e preservar a produtividade em meu trabalho.

Qual é o segredo para a aprovação?

Não existe segredo, mas sim um conjunto de técnicas que podem ser desenvolvidas por qualquer pessoa que não desistir. E se aperfeiçoar a cada dia. Muitos concurseiros desistem diante das primeiras reprovações, que são comuns e frequentes para quem está começando, mas é necessário mudar atitudes, estudar com técnica e se motivar novamente todos os dias. Estudar para concursos demora, dói e dá trabalho, mas é recompensador.

Dá para passar estudando sozinho?

Se o concurseiro tiver condições de arcar com um curso preparatório (que é um investimento e não uma despesa) eu recomendo o curso, mas, sim, é possível passar estudando sozinho. Milhares de pessoas estudam sozinhas e conquistam suas vagas. É necessário, entretanto, disciplina. Aliás, a disciplina é sempre um requisito para quem quer passar em concurso público.

Quais são as principais dicas?

De maneira geral, uma dica que dou é para estudar com técnica. No entanto, mesmo as técnicas de estudo variam muito de pessoa para pessoa, assim como as dicas. Cada um tem um estilo próprio e isso também se aplica à preparação para concursos. É preciso ter muito cuidado com os exemplos que se segue e com as técnicas que se compra. Nenhuma técnica está “escrita na pedra”. É sempre possível modificá-la para melhor atender às suas necessidades, o que eu chamo de personalização da técnica. Outras dicas que costumo dar são: assistir às aulas com todo afinco que puder, ler livros, códigos, doutrina, súmulas e todo o material que puder dar suporte ao estudo. Finalmente, fazer resumos para retomar o conteúdo e não deixar nunca de fazer exercícios também são ferramentas essenciais para a aprovação. Além disso, é essencial ter um quadro-horário montado e respeitá-lo ao máximo, manter-se focado e flexível para eventuais mudanças de plano e ter a consciência de que o projeto que traçou para sua vida é recompensador. Como digo em um dos mantras, “a dor é temporária, o cargo é para sempre”.

E quais são os principais erros dos candidatos?

Assim como existem muitas dicas para aprimorar os estudos para os concursos, existe igualmente uma série de erros dos candidatos, como falta de confiança, técnicas inadequadas de estudo, motivação inadequada - ou até inexistente - e falta de foco e de planejamento.

Há algum conhecimento específico que faz diferença para a aprovação?

Pode parecer inusitado, mas o que mais reprova em concursos muitas vezes é a língua portuguesa. Ter um bom conhecimento de vocabulário, gramática e interpretação é fundamental para quem está se preparando para concursos. Mesmo que sua prova não tenha redação ou questões discursivas, ter domínio do idioma é um fator determinante para a boa compreensão da prova como um todo. Sempre recebo relatos de concurseiros contando que não sabiam exatamente uma resposta, mas chegaram à solução correta por uma simples eliminação gramatical. Portanto, foco no português e, claro, na leitura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.