Tarso indica seus próprios conselheiros para o CNE

O ministro da Educação, Tarso Genro, sinalizou nesta quarta-feira que o governo deve nomear para o Conselho Nacional de Educação (CNE) pessoas de fora da relação apresentada pelas entidades do setor. Por lei, apenas 50% dos nomes têm de sair desta lista. Os 12 novos conselheiros deverão ser anunciados na sexta-feira, dia 12."Fiz um esforço grande para que a ampla maioria dos novos integrantes seja originária das listas", disse Tarso, após reunião do Conselho Superior da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). A relação definida pelo ministério seria encaminhada ainda nesta quarta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quem cabe a decisão final.O conselho tem 24 integrantes - 12 na Câmara de Educação Superior e 12 na Câmara de Educação Básica. Os mandatos são de quatro anos e agora serão renovados seis conselheiros em cada câmara. O CNE é um órgão consultivo do MEC e opina sobre credenciamento de instituições e abertura de cursos de Direito, Medicina, Odontologia e Psicologia.

Agencia Estado,

10 de março de 2004 | 23h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.