Tarso desiste de cotas para negros em faculdades particulares

Um dia depois de dizer que as faculdades particulares teriam de reservar vagas para negros, o ministro da Educação, Tarso Genro, recuou. O governo aposta que a população negra será atendida pelo programa Universidade para Todos, dispensando a reserva de vagasextras por critérios raciais nas particulares.O Universidade para Todos deverá ser lançado na próxima terça-feira, por medida provisória. Já a política de cotas, que fixará um porcentual de vagas para negros nas universidades públicas, seguirá para o Congresso na forma de projeto de lei.A proposta final será preparada pela Secretaria de Promoção e Igualdade Racial e a Casa Civil e não tem data para ficar pronta. A idéia é que a política de cotas e o programa de vagas gratuitas para alunos carentes se complementem.Com o Universidade para Todos, o Ministério da Educação pretende oferecer cerca de 75 mil vagas gratuitas em instituições filantrópicas e particulares, este ano, a alunos carentes com renda per capita mensal inferior a R$ 360 (um salário mínimo e meio). Em troca, o governo oferecerá isenções fiscais, exigindo que as universidades filantrópicas cedam ao programa 20% das vagas e as particulares, 10%.Na segunda-feira, Tarso havia dito que, além das vagas para alunos carentes, o governo exigiria das particulares que aderirem ao Universidade para Todos uma reserva adicional para negros. Ontem ele esclareceu que o programa levará em conta a situação sócio-econômica dos estudantes.O ministério analisa a proporção de negros em cada Estado e estima que o Universidade para Todos, ao absorver a população pobre, atenderá também os negros.

Agencia Estado,

07 de abril de 2004 | 04h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.