Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

STJ libera divulgação do Sisu atendendo a pedido do governo

Justiça Federal em São Paulo havia suspendido a divulgação do resultado que estava marcada para essa terça-feira, 28

Isabela Palhares e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2020 | 16h39

SÃO PAULO - O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, atendeu ao pedido do governo federal e liberou que seja continuado o processo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), ou seja, que os resultados dos candidatos aprovados seja divulgado. A divulgação do sistema foi barrada pela Justiça Federal na sexta-feira, 24, até que o Ministério da Educação (MEC) comprovasse documentalmente que corrigiu todas as falhas nas notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). 

O resultado do Sisu foi divulgado na noite desta terça-feira. Inicialmente, a divulgação dos aprovados em primeira chamada do Sisu estava marcada para esta terça-feira, 28. O Programa Universidade para Todos (Prouni), que concede bolsas em universidades privadas e que iniciaria as inscrições nesta terça-feira, também teve o cronograma suspenso pelo ministério.

A divulgação do Sisu foi suspensa após um pedido da Defensoria Pública da União para que o MEC e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) comprovassem "documentalmente" que a revisão das notas, nas quais foram identificadas falhas, foram consideradas para  readequação das correção de todos os 3,9 milhões de candidatos. A Justiça Federal em São Paulo atendeu ao pedido na sexta e a Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu da decisão no sábado, 25. 

No entanto, no domingo, 26, a presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), desembargadora Therezinha Cazerta, rejeitou o pedido da AGU para derrubar a decisão que suspendeu a divulgação do Sisu. Para ela, os entendimentos da Justiça Federal de São Paulo "nada mais fizeram do que proteger o direito individual dos candidatos do Enem a obterem, da administração pública, um posicionamento seguro e transparente a respeito da prova que fizeram".

O principal argumento do MEC para reverter a decisão de suspensão do Sisu era de que, ao barrar o andamento do sistema, corria risco de "graves prejuízos à política pública de ensino superior". O presidente do STJ disse, em sua decisão, ser "inegável" os impactos da suspensão por "impedir a organização e a concretização do calendário acadêmico, bem como a formação de turmas; se perdurar, pode até mesmo impactar o ano universitário."

Noronha também disse que a suspensão trazia "dano grave, manifesto e de enorme potencialidade lesiva". "Já são milhares os estudantes apreensivos, sem saber para qual curso foram selecionados e em qual instituição de ensino ingressarão. Suas famílias, obviamente, também estão ansiosas sem saber para onde seus filhos irão", disse na decisão. 

'Falta de diálogo'

O presidente do STJ defendeu que o pedido feito pela Defensoria Pública da União e aceito pela Justiça Federal foi de "natureza política". Para ele, falou diálogo já que, segundo Noronha, a DPU "supõe (ou teme) que os estudantes possam ter sido prejudicados, seja porque os que reclamaram das notas não tiveram seus pleitos respondidos, seja porque a revisão das provas pode ter impactado a valoração das questões de acordo com a teoria da resposta ao item (TRI)."

"O MEC e o INEP, pelo que se depreende, pecaram pela deficiente comunicação com a sociedade em geral e, em específico, com os órgãos encarregados da defesa dos interesses difusos e coletivos (MPF e DPU)", conclui. Para ele, esse erro de comunicação não é suficiente para justificar a paralisação de todo o processo do Sisu. "Se erros pontuais e individuais houve, certamente que devem ser sanados pelas vias próprias", disse. 

"Vê-se que nada de errado ou lesivo aos estudantes que se supõe tenha ocorrido, de fato, ocorreu", defendeu Noronha. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.