STF mantém corte de salário de professores grevistas de SP

A ministra Cármen Lúcia indeferiu pedido de liminar da entidade, mas ainda cabe outro recurso.

O Estado de S. Paulo

22 Maio 2015 | 22h01

SÃO PAULO - O Supremo Tribunal Federal (STF) negou pedido da Apeoesp, sindicato de professores da rede estadual de São Paulo, e autorizou o governo do Estado a manter o corte de pontos de docentes em greve desde 16 de março. A ministra Cármen Lúcia indeferiu pedido de liminar da entidade, mas ainda cabe outro recurso.

Na última quarta, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) já havia autorizado o corte de salários dos grevistas, decisão que suspendia liminar da Justiça de São Paulo que, por sua vez, garantia o pagamento. O governo Geraldo Alckmin (PSDB) havia recorrido ao STJ. O presidente do STJ, Francisco Falcão, acatou argumento do Estado, segundo o qual o pagamento a grevistas acarretava um impacto de R$ 23,7 milhões no mês de março.

Os professores exigem reajuste de 75% no salário. Nesta sexta-feira, dia 22, a categoria, liderada pela Apeoesp, realizou assembleia e manteve a greve. O governo do Estado ainda não apresentou uma proposta de reajuste salarial para este ano. Prometeu, entretanto, manter política de valorização neste e que o reajuste seria discutido em julho. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.