SP prepara professores para identificar hiperatividade

Os sintomas do transtorno acometem as pessoas doentes em todos os seus ciclos de convívio, não só na escola

da Redação,

24 de setembro de 2008 | 14h12

A Secretaria de Estado da Educação paulista iniciou uma série de treinamentos para que os professores da rede passem a identificar alunos com déficit de atenção, hiperatividade ou com os dois problemas juntos.   Cerca de 3.600 professores, supervisores e diretores de escolas foram treinados em setembro sobre o assunto, em uma primeira fase. No Centro de Apoio Pedagógico Especializado (Cape), órgão da secretaria, os educadores puderam saber como agem os alunos portadores dos problemas.   De acordo com os especialistas do Cape, as pessoas costumam confundir os sintomas do distúrbio com desatenção, falta de interesse e impaciência, dificultando assim a convivência de seus portadores.    Os sintomas do transtorno acometem as pessoas doentes em todos os seus ciclos de convívio, não apenas na escola. Estudos mostram que o transtorno acomete três vezes mais os meninos do que meninas. Se não for identificado e trabalhado ainda na infância, pode levar à formação de adultos impulsivos.   Além de atuar com os alunos, os 3.600 educadores terão a função de repassar os conhecimentos adquiridos a seus colegas em todo o Estado. A secretaria ainda planeja capacitações rotineiras, para outros professores, diretores e supervisores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.